quinta-feira, 29 de novembro de 2007

Só num país como o nosso

Estou indignado. Estou revoltado.
Se tem uma coisa que me tira do sério, que me corroi as entranhas, é a tal da injustiça.

Se você que aprender o que é ser paciente, basta você ser consumidor no Brasil. Infelizmente, apesar de termos uma legislação avançada, na proteção dos direitos do consumidor, a fiscalização, aplicação de penas e cumprimento dela são coisas tão distantes da realidade, que melhor seria que nem a tivéssemos, pois para a grande maioria da população, mesmo aqueles mais esclarecidos, a lei não funciona, não protege.

Vou citar, por puro desabafo aqui, alguns exemplos onde temos o nossos direitos cerceados:

Situação 1: Você chega no posto de gasolina, onde as bandeiras dos cartões de crédito estão estampadas, e verifica que há dois preços para o mesmo produto, variando de acordo com a forma de pagamento. Não sou jurista, mas pelo pouco que sei e conheço das leis, isto é uma arbitrariedade, pois o estabelecimento que se propõe a receber certo tipo de forma de pagamento, não pode cobrar mais caro por isso. Ele pode no máximo, dar um desconto, sobre o total, caso a forma de pagamento escolhida pelo cliente, lhe pareça mais interessante, mas dois preços, isto não pode!

Situação 2: Você chega na padaria, onde novamente estão estampadas as bandeiras dos cartões de crédito aceitos, escolhe os produtos, mas na hora de pagar é informado que há valor mínimo para compras. Isto é outro caso em que há arbitrariedade. Uma vez que o estabelecimento comercial, se propõe a receber o pagamento em qualquer forma, ele não deve e nem pode constranger o cliente a comprar um valor mínimo.

Estes são algumas das situações em que eu já vivi, e que pude me posicionar, mostrando que não aceitaria ter o meu direito anulado, por conta da falta de escrúpulos e respeito às leis que regem nosso país.

Mas a minha indignação agora não se refere a estes casos, mas ela está totalmente direcionada a HP do Brasil, empresa Multinacional que vende equipamentos de informática, tais como Notebooks, Desktops, HandHelds (Pockets), Câmeras digitais, Impressoras, entre tantos outros.

Para encurtar a minha história, fiz uma compra a HP do Brasil, diretamente a ela, pagando através de depósito identificado, no dia 19 de setembro de 2007, e até a data de hoje ainda não recebi a câmera. O aniversário de um ano de meu filho se passou e eu não pude tirar as fotos, afinal a máquina não havia chegado, e hoje, dia 29 de novembro de 2007, dei o prazo final a HP, para receber a máquina até o dia 04 de dezembro de 2007, caso não receba, vou tomar a coragem de novamente me posicionar, requerendo na justiça indenização por danos materiais e morais que a mesma me causou.

Esta é a única forma de “ensinar” às empresas brasileiras, que existem leis, e que estas precisam ser cumpridas. Não estou querendo dizer que você seja uma pessoa, que tudo que acontece, você deve levar à justiça, mas que você deve se posicionar, pois o nosso país está do jeito que está, também, por nossa omissão na cobrança aos governantes de suas responsabilidades.

Só mais uma coisa: Se você pretende comprar produtos da HP do Brasil, sugiro que você leve em consideração que a HP, massacra literalmente, os seus clientes no momento do pós venda. Então pense bem, se vale a pena, comprar um equipamento, que pode precisar da assistência técnica. Há outras excelentes marcas que tratam o cliente com mais dignidade e respeito: Toshiba, Sony, Dell, Positivo, Epson, só para citar. De minha parte, não sugiro e nem compro mais nada da HP.

Bom, esta é a minha opinião.

quarta-feira, 10 de outubro de 2007

...até que se tornou forte

Em nossos dias, mais do que em outras épocas, há uma constante luta pelo sucesso, busca pelo crescimento, seja na área estudantil, profissional, financeira, o fato é que esta busca por coisas que são boas, tem tirado o nosso foco de coisas que são realmente importantes para a nossa vida.

E isto aconteceu com um cidadão conhecido meu. Ele assumiu grandes responsabilidades muito cedo. Desde muito novo, ele precisou trabalhar e ralar bastante. Ele lutou, chorou, sofreu, cresceu, foi derrubado, mas foi soerguido, e lutou ainda mais, e trabalhou, e se dedicou, e investiu e, finalmente, se tornou forte. Nesta luta em muitos momentos ele reconheceu que Deus estava consigo, ele experimentou o que é ser conduzido por Deus ao sucesso, mas quando ele se tornou forte...

Como eu gostaria que não houvesse esta conjunção adversativa nesta história!
Este “mas” ocorreu justamente no momento em que ele se tornou forte. Sua vida perdeu rumo, foco, alvo, ele começou a vagar em seus próprios pensamentos, achando que era, que podia, que merecia, que fazia e acontecia, e foi ai que começou a sua total desgraça. Todos os valores aprendidos com as lutas foram, pouco a pouco, sendo deixados de lado, seus princípios foram deturpados para atender a sua nova condição, a de que como forte, “eu tudo posso”. E o final desta história é tão triste que nem gostaria de narrar, mas o fato é que este cidadão terminou a sua vida amargando a solidão, a depressão, a angústia de ter tido tudo na vida, mas de não ter desfrutado de nada.

O que eu aprendi, ao observar os erros deste cidadão, foi:
* Devo estar sempre atento para que a busca pelo sucesso, não me faça esquecer que o sucesso só pode ser pleno, se estiver de acordo com a vontade dAquele que me amou;
* Que o sucesso nem sempre é bom, pois, se para o alcançar, eu tiver que perder bens muito mais preciosos como: minha família, meus amigos, meus valores, minha fé, este sucesso não vale a pena ser buscado;
* Que estar forte exige muito mais cuidado do que estar fraco, pois como disse o apóstolo Paulo: “O poder se aperfeiçoa na fraqueza, porque quando eu sou fraco é que eu sou forte”.

Concluindo, cuidado com o preço que você tem pago para conseguir o sucesso. Cuidado porque há coisas que “não tem preço”, até porque não dá para mensurar. Quanto custa, por exemplo, um sorriso de seu pequeno filho, ao lhe ver chegar em casa? Quanto custa, por exemplo, um abraço em quem passou a vida cuidando de você? Quanto custa, por exemplo, uma conversa com quem precisa de apoio e carinho? Assim como não há como mensurar preço para estas coisas, assim também não há como resgatar oportunidades que você terá que deixar para trás, a fim de alcançar este “bendito” sucesso.

Lembre-se de que o tempo não volta, e agora é o momento de você ser feliz com QUEM você tem. E se você vier a ser forte, que você consiga ver que esta força não foi conquistada em detrimento de sua fé, família, amigos e caráter.

Um abraço mais do que forte.

Samuel Lyra

sexta-feira, 21 de setembro de 2007

Leve o seu guarda-chuva

Hoje eu ouvi uma história bastante interessante:

"Há 5 anos não chovia naquela cidade, e certa manhã dona Fulana, ouviu suas vizinhas a lhe chamar:
- Fulana, depressa! Se arrume que vamos subir no cume daquele monte para orar para que chova. Corre mulher!
Questionou dona Fulana:
- Mas por que a gente não ora aqui mesmo?
Ao que responderam:
- Não tem que ser lá em cima, e tem que ser agora, vamos!
Ela disse tentando entrar em casa:
- Então deixa eu ir aqui....
Elas a seguraram:
- Não, vamos logo!
Ela insistiu:
- Mas eu quero pegar uma coisa.
Logo elas pergutaram:
- O que a senhora quer levar?
Ela respondeu:
- Quero levar o meu guarda-chuva.
Elas logo inquiriram:
- Mas pra quê? Neste sol? Não precisa não! A senhora acha que com um sol destes vai chover hoje?
Ela se mostrando surpresa com a resposta, lhes perguntou:
- Se não vai chover, então pra que eu vou orar?"

Autor desconhecido

Moral da história: Não basta apenas você pedir a Deus, peça com fé, pois se você tiver você será capaz de, em Deus, operar grandes feitos.

Mateus 17:20 "pois em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda direis a este monte: Passa daqui para acolá, e ele há de passar; e nada vos será impossível."

Tenha fé, embora tudo lhe pareça difícil, e lembre-se: Leve o seu guarda-chuva!

sábado, 28 de abril de 2007

Na minha opinião

Olá pessoal! Apesar de estar trabalhando com informática desde o ano de 1998, apenas 9 anos depois resolvi colocar minha cara, ou melhor opiniões na WEB.

É isto mesmo, Samuel Lyra, agora tem um Blog. (Eita bicho besta da gota).

Neste blog estarei sempre expondo minha opinião sobre assuntos do momento, claro sempre a partir da experiência e princípios adquiridos nestes anos todos de vida.

É isso ai!
Eu espero que com um frequência "devezenquandal*" eu possa está postando a minha opinião e recebendo de vocês o retorno, criticando, concordando, acrescentando, enfim, falando sobre o tema abordado.

Um forte abraço a todos.
E um feliz final de semana, afinal hoje é sexta-feira, e sexta-feira, depois das 18h é a melhor parte da semana.
Bom, esta é a minha opinião.