sábado, 26 de novembro de 2011

Dê um pouquinho do seu tempo...

Procurando um arquivo em meu velho HD externo, localizei alguns textos que houvera escrito há algum tempo.
Um texto que considero muito mais relevante hoje é este que segue abaixo:


Dê-me um pouquinho do seu tempo...


Esta frase não é minha para você, mas de seus filhos e filhas. As crianças precisam de boa educação acadêmica, de boa educação religiosa, mas elas precisam principalmente de bons exemplos em casa. Não adianta nada você gastar milhares de reais pagando altas mensalidades em excelentes escolas para os seus filhos, não adianta levá-los à igreja pela manhã para a EBD e à noite para o projeto Crianças de Primeira, se em casa, se você não lhes dá um pouquinho do seu tempo, para lhes ensinar a orar, a ler à palavra, a servir e a amar a Deus.

Não deixe que o corre-corre da vida tire dos seus filhos o prazer de brincar com você. Neste domingo, dia da criança, um dos principais jornais de PE fez um excelente referência a este tema, citando que brinquedo só não basta.

Investir tempo na educação dos seus filhos é algo muito importante, e que a bíblia nos garante retorno: “Ensina a criança no caminho em que deve andar; e ainda quando for velho não se desviará dele”. (Provérbios 22:6)

No projeto Crianças de Primeira, ensinamos às crianças que Deus nos amou, que devemos servir ao Senhor  Jesus, que precisamos pedir perdão a Deus pelos nossos pecados, mas cabe a você papai, a você mamãe, em casa, no dia a dia, dar a aplicação prática, o exemplo do que foi ensinado, amando ao Senhor, nosso Deus, através da obediência à Sua palavra. Cabe a vocês, em casa servir ao Senhor, orando, louvando a Deus, lendo a Bíblia. Cabe a vocês ser o exemplo para os pequenos fiéis.
Que Deus nos ajude a sermos pais segundo o Seu coração, homens e mulheres de oração, tementes a Deus. Que Deus abençoe os nossos filhos, para que eles, seguindo o nosso exemplo, venham também ser, servos e servas do Senhor Jesus.

Sê tu uma bênção!

Samuel M. de Lyra 
Recife, 14 de outubro de 2008

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Qual é a sua motivação?

 

A primeira pergunta do catecismo maior: Qual é o fim principal do homem?

Entender e viver esta resposta de maneira correta faz toda a diferença na vida de uma pessoa. Preste atenção, não é o que você faz, não é o que você tem, não é o que você é. Você foi criado para glória de Deus, e você só achará realização, alegria, real sentido em sua vida, se você compreender e viver a partir desta ótica.

Nada que existe, nada que você faça, nada que você possua vai preencher de significado a sua existência, a não ser o próprio autor da vida: Deus.

E nEle você pode enfrentar os desafios desta caminhada, ciente de que Ele estará do seu lado, capacitando a dar cada passo, mesmo quando você parecer não suportar mais. Ele está junto a você dizendo: Não temas, pois eu sou contigo.

Que Deus lhe abençoe!

sexta-feira, 2 de setembro de 2011

“Diga aos filhos de Israel que marchem”

Aqui estamos nós, depois de algumas pragas, de caminharmos no deserto, o inimigo de nossas almas se levanta e vem nos assaltar. Ele vem com seu poderoso exército cujo capitão é medo, usando as circunstâncias, a história e a incerteza como armas, ele brada.

Nós olhamos para a frente e o mar está revolto, atrás de nós, apressando seus passos vem o nosso inimigo, do nosso lado os montes igrimes não nos permitindo rota de fulga. Como faremos para escapar?

Nesta ora, Deus paciente, amorosa e graciosamente nos direciona: “Por que vocês estão temendo? Apenas marchem!”

Deus envia-nos o livramento, o mar se abre, e nós caminhamos por meio dele, com os pés sem serem molhados, e não só isto, ele destroi o nosso inimigo, ele o extermina com suas poderosas armas: Sua palavra, a fé nEle, Sua graça e Seu amor por meio de Cristo nosso salvador.

Se você está passando por situações de dificuldade, medo, dor, perda, incertezas, dissabor, confie no Deus eterno, entregue-se a Jesus, e você verá o mar se abrir e Deus caminhará sempre contigo.

“Ninguém te poderá resistir todos os dias da tua vida; como fui com Moisés, assim serei contigo; não te deixarei, nem te desampararei.” Josué 1:5

terça-feira, 30 de agosto de 2011

Sou feliz com Jesus, meu Senhor!

O hino abaixo é um dos hinos mais lindos que já ouvi. Tanto a letra quanto sua quanto a melodia são um deleite para a nossa alma cançada das arduras desta vida.

A história deste hino é ainda mais impressionante, assim como Jó, seu autor conseguiu louvar a Deus mesmo em meio a dor extrema.

Senhor que eu não precise passar por situações como esta, mas se elas vierem que eu possa ser fiel como este teu servo foi. (Abaixo estão a letra e a história do seu autor)

Deus os abençoe.

Sou feliz

Se paz a mais doce me deres gozar
Se dor a mais forte sofrer, oh! Seja o que for,
Tu me fazes saber que feliz com Jesus sempre sou!

Sou feliz com Jesus, sou feliz com Jesus
Sou feliz com Jesus, meu Senhor!

Embora me assalte o cruel Satanás
E ataque com vis tentações;
Oh! certo eu estou, apesar de aflições,
Que feliz eu serei com Jesus!

Meu triste pecado por meu Salvador
Foi pago de um modo cabal;
Valeu-me o Senhor, oh! mercê sem igual
Sou Feliz! Graças dou a Jesus!

A vinda eu anseio do meu Salvador,
Em breve virá me levar
Ao céu onde vou para sempre morar
Com remidos na luz do Senhor.

Este hino foi escrito por Horatio Gates Spafford, americano que viveu entre os anos de 1828 e 1888.

image

Advogado de formação, cristão, presbiteriano, fora alcaçado por Jesus quanto teve contato com Moody, um dos maiores avivalistas da história. Casou-se com Anna Spafford com quem teve 5 filhos.

image

Em 1971, meses depois dele ter feito pesados investimentos imobiliários na cidade de Chicago, a mesma foi atingida por um grande incêncio que destruiu totalmente os imóveis nos quais ele havia investido.

Além do forte abalo financeiro, Spafford sofreria mais um duro golpe, a dolorosa perda de seu filho. Esta que trouxe grande sofrimento dor à toda a família.

image

O piedoso advogado, procurando um tempo de refrigério e descanso, resolveu viajar com sua esposa e suas 4 filhas para a Europa, onde se encontraria com Moody e Sankey em uma cruzada evangelistica na Inglaterra, em 1873.

Em novembro daquele ano, devido a inesperados compromissos de negócios, Spafford precisou permanecer em Chicago; mas ele enviou sua esposa e as suas 4 filhas conforme já estava programado no navio S.S. Ville du Havre. Sua expectativa era seguir viagem dias depois.

image

No dia 22 de novembro de 1873, o navio sofreu um acidente e naufragou em 12 minutos. Dias depois, os sobreviventes finalmente chegaram em Cardiff, no Pais de Galles, e a senhora Spafford mandou um telegrama ao seu marido:"SALVA, PORÉM SÓ". As 4 filhas morreram naquele naufrágio.

image

Imediatamente após receber o telegrama da esposa, Spafford tomou um navio e foi ao encontro de sua esposa. Spafford escreveu a letra deste hino quando outro navio, que o transportava para a Inglaterra, chegou perto do local da tragédia.

Spafford escreveu a letra deste hino. Spafford profundamente comovido e sustentado pelo Deus que inspira canções nas noites escuras, começou a escrever: "Se paz a mais doce me deres gozar...”

terça-feira, 23 de agosto de 2011

Por favor, me dê um real de evangelho

Vivemos em tempos de superficialidade. Nossas vidas hoje são tão profundas quanto uma poça de água retida em uma tampa de garrafa. Temos centenas de “amigos” no Facebook®, Google+®, Orkut® entre tantos outros sites de relacionamento, mas não conseguimos, muitas vezes abrir um diálogo com o nosso vizinho de porta, ou de condomínio, o máximo que fazemos, quando fazemos é dar um bom dia, boa tarde, boa noite, ou fazer um comentário sobre a chuva ou o trânsito, nos “eternos” minutos que passamos dentro do elevador.

Em relação à vida cristã esta superficialidade também pode ser notada, o fato é que nós cristãos, especialmente os brasileiros, temos vivido um evangelho também de superficilidade, um evangelho de conveniência, de relacionamento social, sem permitir que este evangelho adentre ou interfira em todas as áreas de nossas vidas. O resultado disto é que temos sido uma mistura fraca de areia com algumas pitadas de sal.

Perdemos o senso de peregrinos, perdemos a percepção que a nossa vida não se resume a este mundo. Falamos como cristãos, mas vivemos como se não fóssemos. Nos alegramos mais quando nossos filhos são aprovados no vestibular, ou se seam bem na escola, ou recebem uma promoção no trabalho, do que quando eles testemunham do amor de Cristo em suas vidas.

Lendo um estudo sobre os filipenses vi um texto transcrito do D. A. Carson:

“Eu gostaria de comprar mais ou menos três dólares de evangelho, por favor. Não muito – apenas o suficiente para me fazer feliz, mas não demais que eu fique dedicado. Eu não quero tanto evangelho que eu aprenda realmente odiar a cobiça e a luxúria. Certamente não quero tanto que começe a amar os meus inimigos, prezar a autonegação, e contemplar o serviço missionário em alguma cultura diferente. Eu quero êxtase, não arrependimento; transcedência, não transformação. Eu gostaria de ser querido por pessoas gentis, perdoadoras e de mente aberta, mas eu mesmo não quero amar aqueles de diferentes raças – especialmente se tiverem cheiro. Eu gostaria de evangelho o suficiente para fazer a minha família segura e meus filhos bem comportados, mas não tanto que eu descubra minhas ambições redirecionadas ou minhas doações por demais alargadas. Eu gostaria de levar três dólares de evangelho, por favor.”

A grande questão é: Você está disposto a sair da superficialidade do seu cristianismo de conviniência para viver ainda sob penalidades do mundo de maneira profundamente agradável a Deus?

Findo esta postagem com dois versículos que muito bem a resumem:

“E quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim.” Mateus 10:38
”E qualquer que não levar a sua cruz, e não vier após mim, não pode ser meu discípulo.” Lucas 14:27

Que Deus nos abençoe nos fazendo viver do modo digno da vocação a qual fomos chamados.

sexta-feira, 19 de agosto de 2011

Mas como é grande o meu amor por você

A famosa música de Roberto Carlos fala de um amor de um homem por uma mulher, fala de um amor de uma pessoa que chega a ficar desesperado por conta da incapacidade de revelar o quanto a ama.
Mas o tema desta postagem, embora trate do amor de duas pessoas, não trata do amor de uma homem para uma mulher, mas do amor de um Deus para uma mocinha, minha filhinha Bia.
Photo-0122[1]
Esta postatem trata do amor de um Deus que enviou seu filho para morrer em uma cruz, que derramou sua graça na vida dela desde antes dela nascer, de um Deus que fez e fará milagres em sua vida, de um Deus que transformará uma menina tímida em uma corajosa serva de Deus, missionária do evangelho, proclamadora da boas novas de Salvação.
Esta postagem foi escrita por um pai que sabe que, embora ame sua filhinha muito, o seu amor é infinitamente menor do que amor de Deus por ela, e que Ele, o Deus vivo e Verdadeiro, Todo Poderoso pode e vai cumprir nela os Seus propósitos, glorificando o Seu nome.
Bia fará uma cirurgia, e isto tem trazido medo ao meu coração, mas eu sei em quem tenho crido e estou bem certo de que Ele é poderoso para fazer tudo quanto Sua vontade desejar. E eu o louvarei hoje e sempre. O louvarei pelo que Ele fez e fará na vida de minha filhinha, porque antes de ser minha filha, ela é filha do Deus altíssimo. E o amor dEle por ela é algo inexplicável.
Que Deus lhe abençoe Bia, papai a ama muito, e ora, e clama e chora por sua vida, para que você cresça em estatura e graça, diante de Deus, e seja uma serva do nosso Senhor Jesus. Papai não poderá entrar com você na sala de cirurgia, mas o Deus a quem servimos, que lhe ama mais do que papai estará lá com você!
Segue abaixo a adaptação da música, como se o próprio Deus estivesse cantando para falar do seu amor por nós.
Eu tenho tanto pra lhe falar
Mas você não vai me entender
Pois é tão grande o meu amor por você
E só a cruz pra revelar
Para poder lhe explicar
Como é grande o meu amor por você
Nem mesmo o céu, nem as estrelas
Nem mesmo o mar e até a luz
Não é maior que o amor mostrado
Lá na cruz
Se o desespero lhe atacar
Basta a você confiar
Pois é tão grande o meu amor por você
Nunca se esqueça, nem um segundo
Que mandei Meu filho a este mundo
Pois é tão grande o meu amor por você
Mas como é grande o meu amor por você!

sexta-feira, 12 de agosto de 2011

Você confia em mim?

No Salmo 43:5 o salmista pergunta a sua alma: Por que estás abatida, ó minha alma? Por que te perturbas dentro de mim? Espera em Deus, pois ainda o louvarei, a ele, meu auxílio e Deus meu.

Você está se sentindo abatido, derrotado, envergonhado, triste, desanimado? As ondas da crise tem varrido os pilares sobre os quais você se sustentava, o desemprego, a incerteza, a dor, a perda, a doença e até a morte tem lhe corroído os pensamentos? Suas lágrimas têm lhe alimentado dia e noite, e você chega ao ponto de dizer não aguento mais?

Tendo passado por muitos momentos como estes nos últimos tempos, a pergunta que aprendi a escutar de Deus é: Você confia em mim?

E responder sim a esta pergunta, faz toda a diferença. Na realidade não apenas responder, mas viver as situações de forma que minhas ações e reações estejam dizendo a Deus, sim Senhor, eu confio.

Confesso que não foi, não é e nunca será fácil, passar pelos problemas tendo como motivo de alegria, por saber que a provação é um instrumento de Deus para forjar em nós o carácter de Cristo, contudo posso lhes afirmar, que estou louvando a Deus na tempestade. (como diz a música de PG)


E eu creio, como disse o Salmista à sua própria alma, espera, aguarda, pois você ainda O louvará!

Senhor, eu confio em Ti, só em Ti e sei que hás de fazer infinitamente mais do que tudo quanto tenho te pedido e desejado.

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Papai o que o senhor quer de presente?


Esta foi a pergunta que ouvi do meu filho Gabriel de 4 anos, ontem à noite. Na hora, pensei em dizer um perfume, talvez um sinto, talvez um tenis, ou quem sabe um IPAD, ou ainda uma IPHONE.

O fato é que durante poucos segundos, minha mente vagou sobre os maiores alvos do nosso atual desejo de consumo (Eletrônicos, Ferramentas, Jogos, Carros).

Depois deste breve período de devaneio, recordei a conciência e vi que não preciso de nenhuma destas coisas para ser feliz.

O fato é que nos segundos seguintes, enquanto a paciência do meu filho ainda existia, fiquei pensando não no presente que gostaria de ganhar, mas no que me faria feliz.

Neste momento, me lembrei de um texto bíblico, 3ª João 1:4 que diz: “Não tenho maior alegria do que esta, a de ouvir que meus filhos andam na verdade.”

Disse-lhe com calma e de maneira explicada que queria um cheiro e uma abraço bem forte, disse-lhe que gostaria de vê-lo crescendo, aprendendo a servir e amar a Deus.

Meus olhos se encheram de lágrimas ao ouvir dele: Papai, quando eu crescer, quero ser um missionário! Eu lhe expliquei que isto seria algo que muito me alegraria, e disse que ele já poderia ser, falando do amor de Cristo aos seus colegas no colégio e no Judô.

Ele finalizou, dizendo: Papai, eu posso falar que Cristo morreu na cruz no nosso lugar, não é?


Senhor Jesus, dá que meus filhos sejam Teus servos, fiés, me capacita a ensiná-los a Te amarem e Te servirem. Que eu e minha esposa, estejamos a cada dia sendo facilitadores, cooperadores neste propósito, servindo-lhes de exemplo, para que, quando eles estiverem grandes, Te amem e sirvam, pois como disse o apóstolo João, esta será a minha maior alegria, este é o presente que eu quero ganhar.

Que Deus atenda ao clamor deste pai, e seja sempre Louvado!


Leia o texto do link que fala sobre o passeio socrático. (http://samuellyra.blogspot.com/2011/08/passeio-socratico-por-frei-betto.html).

PASSEIO SOCRÁTICO - Por Frei Betto

Excelente texto extraído do blog http://pospensador.blogspot.com (blog mantido por Aderval Mendonça) Este texto fala um pouco sobre o consumismo e os valores que temos adotado consciente ou inconscientemente.








Passei Socrático


Frei Betto


Ao viajar pelo Oriente mantive contatos com monges do Tibete, da Mongólia, do Japão e da China. Eram homens serenos, comedidos, recolhidos e em paz nos seus mantos cor de açafrão.


Outro dia, eu observava o movimento do aeroporto de São Paulo: a sala de espera cheia de executivos com telefones celulares, preocupados, ansiosos, geralmente comendo mais do que deviam. Com certeza, já haviam tomado café da manhã em casa, mas como a companhia aérea oferecia um outro café, todos comiam vorazmente. Aquilo me fez refletir: 'Qual dos dois modelo produz felicidade?'


Encontrei Daniela, 10 anos, no elevador, às nove da manhã, e perguntei: 'Não foi à aula?' Ela respondeu: 'Não, tenho aula à tarde'. Comemorei: 'Que bom, então de manhã você pode brincar, dormir até mais tarde'. 'Não', retrucou ela, 'tenho tanta coisa de manhã...'.


'Que tanta coisa?', perguntei. 'Aulas de inglês, de balé, de pintura, piscina', e começou a elencar seu programa de garota robotizada. Fiquei pensando: 'Que pena, a Daniela não disse: 'Tenho aula de meditação!'

Estamos construindo super-homens e super-mulheres, totalmente equipados, mas emocionalmente infantilizados. 
Uma progressista cidade do interior de São Paulo tinha, em 1960, seis livrarias e uma academia de ginástica; hoje, tem sessenta academias de ginástica e três livrarias! Não tenho nada contra malhar o corpo, mas me preocupo com a desproporção em relação à malhação do espírito.


Acho ótimo, vamos todos morrer esbeltos: 'Como estava o defunto?'. 'Olha, uma maravilha, não tinha uma celulite!' Mas como fica a questão da subjetividade? Da espiritualidade? Da ociosidade amorosa?


Hoje, a palavra é virtualidade. Tudo é virtual.. Trancado em seu quarto, em Brasília, um homem pode ter uma amiga íntima em Tóquio, sem nenhuma preocupação de conhecer o seu vizinho de prédio ou de quadra! Tudo é virtual. Somos místicos virtuais, religiosos virtuais, cidadãos virtuais. E somos também eticamente virtuais...

A palavra hoje é 'entretenimento'. Domingo, então, é o dia nacional da imbecilização coletiva. Imbecil o apresentador, imbecil quem vai lá e se apresenta no palco, imbecil quem perde a tarde diante da tela. Como a publicidade não consegue vender felicidade, passa a ilusão de que felicidade é o resultado da soma de prazeres: 'Se tomar este refrigerante, calçar este tênis, ¬ usar esta camisa, comprar este carro, você chega lá!' O problema é que, em geral, não se chega! Quem cede desenvolve de tal maneira o desejo, que acaba¬ precisando de um analista. Ou de remédios. Quem resiste, aumenta a neurose. 


O grande desafio é começar a ver o quanto é bom ser livre de todo esse condicionamento globalizante, neoliberal, consumista. Assim, pode-se viver melhor. Aliás, para uma boa saúde mental, três requisitos são indispensáveis: amizades, auto-estima, ausência de estresse.


Há uma lógica religiosa no consumismo pós-moderno. Na Idade Média, as cidades adquiriam status construindo uma catedral; hoje, no Brasil, constrói-se um shopping center. É curioso: a maioria dos shoppings centers tem linhas arquitetônicas de catedrais estilizadas; neles não se pode ir de qualquer maneira, é preciso vestir roupa de missa de domingo. E ali dentro sente-se uma sensação paradisíaca: não há mendigos, crianças de rua, sujeira pelas calçadas... 
Entra-se naqueles claustros ao som do gregoriano pós-moderno, aquela musiquinha de esperar dentista. Observam-se os vários nichos, todas aquelas capelas com os veneráveis objetos de consumo, acolitados por belas sacerdotisas. Quem pode comprar à vista, sente-se no reino dos céus. Se deve passar cheque pré-datado, pagar a crédito, entrar no cheque especial, sente-se no purgatório. Mas se não pode comprar, certamente vai se sentir no inferno... Felizmente, terminam todos na eucaristia pós-moderna, irmanados na mesma mesa, com o mesmo suco e o mesmo hambúrguer do Mc Donald... 


Costumo advertir os balconistas que me cercam à porta das lojas: 'Estou apenas fazendo um passeio socrático. Diante de seus olhares espantados, explico: 'Sócrates, filósofo grego, também gostava de descansar a cabeça percorrendo o centro comercial de Atenas. Quando vendedores como vocês o assediavam, ele respondia: "Estou apenas observando quanta coisa existe de que não preciso para ser feliz!"

Obrigado, Francisco!

Para refletir: "Como entramos neste mundo, assim também saímos, isto é, sem nada. Apesar de todo o nosso trabalho, não podemos levar nada desta vida." Eclesiastes 5:15

segunda-feira, 8 de agosto de 2011

Hoje não é dia dos pais…

Sabe, hoje não é dia dos pais, mas hoje eu me lembrei do senhor, pai!

Eu me lembrei de que embora o senhor esteja um pouco fragilizado pela idade e doença que o abate, o senhor continua sendo aquele ponto forte de fé e coragem que foi quando ainda podia me carregar nos braços.

Eu me lembrei que embora eu tenha crescido e amadurecido, o senhor continua sendo aquele a quem eu vejo grande, maior e mais sábio que eu, a quem recorro nos meus momentos de dúvidas.

Eu me lembrei que embora eu já ensine aos outros a amar a Deus, continuo aprendendo com o teu proceder como é viver na dependência de dEle.

Eu me lembrei que poucas vezes eu te disse o quanto eu o amo, e o quanto o senhor é importante para mim, embora através de suas ações o senhor tenha me dito isto todos os dias de minha vida.

Eu me lembrei agora, em meio às lágrimas, que em meio às lágrimas o senhor me corrigiu, me ensinado que o amor requer correção, me forjando o caráter, para que eu ficasse mais parecido com o senhor, e por conseguinte com Cristo.

É pai, hoje eu me lembrei de tudo isto, embora hoje não seja dia dos pais.

Pai, que Deus lhe abençoe e lhe conserve durante muito tempo ainda, pois eu desejo que assim como eu, meus filhos aprendam também com o senhor o que é ser e viver como servo de Jesus.
Natural de Gameleira-PE, Manacés Pessoa de Lyra, este é o homem a quem eu tenho orgulho de dizer: MEU AMADO PAI.

Louvado seja Jesus pelos pais que Ele me deu!

O Meu Deus cumpre as suas promessas

Nenhuma, nenhuma só, nem a mais fácil, nem a mais difícil, nenhuma das promessas do Meu Deus jamais falhou! Ele cumpre tudo o que Ele diz. 

Quanto ao homem, este é como a onda que vai de um lado para o outro, que sua palavra é hoje, mas amanhã já não é.

Mas a palavra do Meu Deus é eterna, jamais falhou, tudo quanto promete, Ele cumpre, pois Ele é fiel à Sua Palavra.

E é por isso que eu posso descansar nEle, e confiar, e continuar tentando agir segundo o Seu propósito em minha vida, pois Ele é quem me guarda, me guia e abençoa.

A Ele, ao Meu Senhor e Salvador Bendito, Cristo Jesus, que foi morto, mas que Ressurgiu, que não olha para as minhas faltas, mas que me trata segundo a riqueza de Sua graça, glórias eternamente.

Amém!

terça-feira, 2 de agosto de 2011

Seis regras para jovens cristãos - Brownlow North

Excelente texto, embora o seu autor já tenha morrido há bastante tempo, considero estas regras muito aplicáveis em nossa época.

Boa leitura!
  1. Jamais despreze a oração diária. E, quando orar, lembre que Deus está presente ali, ouvindo suas orações  (Hebreus  11.6).
  2. Jamais menospreze a leitura diária das Escrituras. E,  quando  ler,  lembre  que  Deus  está  falando  a você;  portanto,  precisa  crer  e  agir  de  acordo com o que Ele diz. Acredito que toda apostasia começa  em  se  negligenciar  estas  duas  regras (João  5:39).
  3. Jamais passe um dia sem fazer algo para Jesus. Todas  as  noites,  medite  sobre  aquilo  que  Ele fez  por  você  e  pergunte  a  si  mesmo:  “O  que estou  fazendo  por  Ele?”  (Mateus  5:13-16).
  4. Se você está em dúvida acerca de algo ser correto ou  errado,  dirija-se  ao  seu  quarto,  dobre  seus joelhos  e  peça  a  bênção  de  Deus  sobre  aquilo (Colossenses  3:17).  Se  você  não  puder  fazê-lo, aquilo  é  algo  errado  (Romanos  16:23).
  5. Jamais  copie  seu  cristianismo  de  outros  cristãos ou  argumente  que  tal  pessoa  faz  isto  ou  aquilo e,  por  conseguinte,  você  também  pode  fazê-lo (2  Coríntios  10:12).  Pergunte  a  si  mesmo: “Como o Senhor Jesus agiria em meu lugar?” e esforce-se  para  segui-Lo  (João  10:27).
  6. Jamais creia naquilo que você sente, se contradiz a  Palavra  de  Deus.  Pergunte  a  si  mesmo:  “O que  eu  sinto  é  verdadeiro,  sendo  confirmado pela  Palavra  de  Deus?”  Se  ambos  não  podem ser  verdadeiros,  creia  em  Deus  e  acredite  que seu coração está mentindo (Romanos 3:4; 1 João 5:10-11).



Brownlow North (1741-1820), reverendo anglicano,
foi bispo de Winchester, Inglaterra.
 e é autor do livro: "The Rich Man and  Lazarus").

(Extraído da Revista Fé para Hoje)                                                                                        

Verdade para a “morte” ou mentira para a “vida”?

A mentira talvez este seja um dos pecados que menos aflija os crentes, embora seja um dos que mais cometamos, visto que APARENTEMENTE, não nos trará nenhuma conseqüência maléfica, muito pelo contrário, nos livrará de situações indesejadas e ruins.

E é interessante notar que o fato de mentirmos implica em que estamos previamente mentindo para nós mesmos, senão vejamos, pois quando mentimos para os outros estamos nos dizendo:

  • Deus não tem o melhor para mim, visto que exige de mim a verdade que me trará o mal, enquanto a mentira me safará desta situação inconveniente;
  • O pecado não é algo tão ruim;
  • Uma “mentirinha” não é pecado;
  • Isto não vai trazer conseqüências maiores e ainda mais danosas;
  • Eu me livrei desta bronca;

A mentira é um pecado que resulta de um coração que não confia que Deus pode nos livrar, se Ele assim o quiser. É fruto de um coração que teme aos homens em detrimento do temor a Deus. A mentira nos afasta de Deus, e nos faz sermos como Satanás, pois ele é o pai da mentira.

Talvez você esteja indagando, mas quem nunca contou uma mentira? Mas o que eu que quero clamar a sua atenção é que, no inferno haverá milhares de pessoas fazendo esta mesma pergunta.

O fato é que nas situações em que a possibilidade da mentira aparece, sempre aparece juntamente com ela a possibilidade da verdade. E, embora, a verdade pareça nos levar a conseqüências mortais, é a mentira que nos leva a morte. Certamente, “a verdade nos libertará”.

Por isso quando surgir uma situação em que a mentira lhe parecer a melhor saída, lembre-se de que é a verdade que liberta, é pela verdade que somos salvos, é na verdade que encontraremos segurança, fale, pois, sempre a verdade.

“Pelo que deixai a mentira, e falai a verdade cada um com o seu próximo, pois somos membros uns dos outros”. Efésios 4:25

“E não entrará nela coisa alguma impura, nem o que pratica abominação ou mentira; mas somente os que estão inscritos no livro da vida do Cordeiro”. Apocalipse 21:27

“Ficarão de fora os cães, os feiticeiros, os adúlteros, os homicidas, os idólatras, e todo o que ama e pratica a mentira”. Apocalipse 22:15

sábado, 30 de julho de 2011

Eu te louvo Jesus

Ó Senhor Jesus, eu Te louvo porque me amaste. Te entregastes à morte na cruz por amor de mim. Obrigado porque Tu não levastes em conta o que eu sou, mas levastes em conta o quão grande era e é o Teu amor mim.

De que maneira eu poderei te retribuir? Jamais conseguirei fazer algo que se compare ao Teu gesto por mim demonstrado na cruz.

Eu Te amo, porque Tu me amaste primeiro.
Eu Te agradeço porque tudo que há de bom em minha vida é fruto de Tua maravilhosa graça e misericórdia.
Eu Te exalto, porque Tu és digno.

Obrigado Jesus, serei eternamente grato porque o Senhor me salvou, porque o Senhor é o meu Deus, porque o Senhor me amou.

Glórias a Ti para sempre.

quarta-feira, 18 de maio de 2011

De quem é a responsabilidade? - Por Alfredo de Souza


Excelente texto do Pr. Alfredo de Souza, publicado em 24 de abril de 2011, sobre o papel da mulher em relação à criação dos filhos.

Extraído do blog E a bíblia com isso?

Que como pais saibamos ensinar nosso filho a amar a Deus, se necessário for, em detrimento de uma vida confortável e abastarda, pois “de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”

Boa leitura!

O Brasil tem testemunhado a violência que muitas crianças sofrem nas mãos de babás ou das creches. São filhos e filhas cuja mãe não possui mais tempo de estar com eles, pois optou por auxiliar o marido nas finanças do lar. Isso tem demonstrado que muitas criaças tem sofrido violência de todos os lados ou perdem a vida por um descuido ou displiscência. Houve o famoso caso em 2008 quando três casais perderam o filho no momento em que estavam numa creche. Na época o noticiário mostrou o sofrimento atroz e a busca de uma resposta para a tragédia impiedosa e desesperadora por parte dos pais. Como pai que sou sinto-me solidário para com essas famílias enlutadas.

Mas além da perplexidade, também refleti um pouco sobre o caso do pequeno Gabriel de 7 meses que possuía Refluxo Gastroesofágico, problema que provoca o vômito ou regurgitação do alimento. Era uma criança que requeria cuidados especiais e uma vigilância ininterrupta, principalmente quando estava dormindo. Não quero de forma nenhuma criminalizar os pais ou os funcionários da creche, isso cabe aos investigadores. Meu objetivo é pensar um pouco sobre de quem é a responsabilidade de cuidar de uma criança, principalmente nos primeiros anos de vida.

Hoje o mundo ocidental vive o frenesi do consumo fazendo com que o indivíduo busque mais e mais a prosperidade financeira. O desejo de ter para ser proporciona horas de trabalho exageradas, além de impulsionar a mulher ao mercado de trabalho juntamente com o marido. É aqui que esbarramos no dilema da criação dos filhos. É justo deixá-los a mercê das creches ou dos parentes próximos ou a responsabilidade cabe aos pais? Pensemos um pouco no que são os nossos filhos:

1. Filho é incompatível com o trabalho desenfreado. Não estou aqui condenando o trabalho pelo sustento. Até mesmo mães e pais solteiros ou divorciados precisam proporcionar o mínimo para a sobrevivência digna e honrada dos filhos. Mas acredito que não é correto abandoná-los em nome de encargos que tomam muitas horas do dia. Nesse contexto é que entra o papel da mãe como aquela que está próxima para proteger e criar. Infelizmente muitas mães sequer possuem um tempo reduzido com os filhos. O contato só ocorre quando a criança já está dormindo. Até mesmo os pais negligenciam o tempo de qualidade com a família em nome dos serões ou dos encontros com os amigos no final do expediente. A ausência certamente acarretará em problemas emocionais e sociais graves à criança no futuro.


2. Filho é prioridade das mães. Esse raciocínio é tão contundente que o Estado proporciona uma licença compulsória para que as mães possam exercer a maternidade sem interrupção. Muitas não sabem do sofrimento que os filhos vivem por conta da ausência diária que resulta num sentimento de desprezo. Quando se está diante da carreira e, ao mesmo tempo, da criação de um filho, não há como negar a prioridade deste filho acima das pretensões profissionais. Ninguém é obrigado a se tornar mãe, ninguém é obrigado a conceber, ninguém é obrigado a abandonar o trabalho para cuidar de crianças. Se alguém quer se dedicar ao trabalho e prosperar na vida financeira deve então, nesse caso, optar por não ter filhos. Se um casal procria, logo estão estabelecendo prioridades. Assim como Paulo afirmou que para o evangelista o melhor é continuar solteiro, eu afirmo que para as mulheres que preferem trabalhar na busca da realização pessoal ou para melhorar a renda do marido o melhor é não ter filhos. Parece uma afirmação dura, mas perceber o sofrimento de tantas crianças, adolescentes e jovens pela ausência dos pais, principalmente da mãe, isso sim é algo duro e chocante.


3. Filho é o nosso campo educacional. Muitos imaginam que a responsabilidade educacional do filho cabe à escola e à igreja. Isentam-se de ensiná-los a Lei do Senhor que direciona todo o olhar para o mundo em que vivemos. A cosmovisão cristã sempre é abafada pela mídia, pelo evolucionismo ateu e pela criação impessoal proporcionada pelas empregadas domésticas, creches ou professores. A disciplina, privilégio restritíssimo dos pais, é um bem negligenciado hoje em dia. Como o tempo com o filho é reduzido aos mirrados finais de semana, os pais, com crise de consciência, não aplicam a disciplina, ao contrário, oferecem uma tolerância prejudicial, desafeiçoada e desamorosa. Filhos que são entregues a si mesmos não desenvolvem o princípio de autoridade, noção que em muito prejudica o relacionamento com Deus. Não esqueçamos, a responsabilidade de evangelizar, de doutrinar, de transmitir conhecimento e de moralizar é prioritariamente dos pais. A igreja, a escola, o sábio conselho dos amigos e parentes são ferramentas periféricas que consolidam a educação no lar.


Eu sei que um texto como esse está na contramão da sociedade em que vivemos. Mas acredito que o futuro dos filhos dirá quem está com a razão. Não tenho medo de errar ao afirmar que vale muito mais um filho equilibrado e crente diante das dificuldades financeiras do que uma vida abastada com o filho desequilibrado e longe do Senhor. É por isso que a pergunta continua no ar: de quem é a responsabilidade?

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Deus grande que habita com o pequeno

“Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” Isaías 57:11
Pensando no texto acima, me lembrei de que nesta semana mesmo, ao viajar de avião, e ele alcançou a "altura de cruzeiro", ao olhar pela janela, vi uma cena parecida com a imagem 1, eu ficara observando como as cidades parecem tão pequenas daquela altura. Fiquei vendo os prédios que mais pareciam pequenas caixas, menores até que minha unha.
Neste momento fui direcionado a pensar na grandeza de Deus, em quão grande Deus é, afinal embora seja imenso, o universo não é infinito, mas o nosso Deus o é. Mas o mais maravilhoso é que este mesmo Deus que é tremendo e infinito, é o mesmo Deus que habita conosco (como nos ensina o texto), e não apenas isto, mas que Ele se importa conosco e com cada área de nossas vidas.
Fico maravilhado ao pensar como um Deus tão grande, com tanta gente para cuidar (somos mais de 7 bilhões de habitantes no planeta terra), cuida e me trata de maneira pessoal, cuidando de detalhes que até para mim são pequenos.
Que Deus nos ajude a ter a visão do tamanho do Seu amor e graça em nossas vidas.
No amor de Cristo,
Samuel Lyra
Imagem 1
image
Imagem 2


Imagem 3
image
Imagem 4

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Declaração de Bens - Por Hélio Fraga

 

Exclente texto do Jornalista Hélio Fraga.

      O pai moderno, muitas vezes perplexo, aflito, angustiado, passa a vida inteira correndo atrás do futuro e se esquecendo  do agora. Na luta para edificar este futuro, ele renuncia ao presente. Por isso, é um homem ocupado, sem tempo para os filhos, envolvido em mil atividades __ tudo com o objetivo de garantir o seu amanhã.

     E com que prazer e orgulho, cada ano, ele preenche sua declaração de bens para o Imposto de Renda. Cada nova linha acrescida foi produto de muito esforço, muito trabalho. Lote, casa, apartamento, sítio __ tudo isso custou dias, semanas, meses de luta. Mas ele está sedimentando o futuro de sua família. Se ele parte um dia, por qualquer motivo, já cumpriu sua missão e não vai deixar ninguém desamparado.

     E para ir escrevendo cada vez mais linhas na sua relação de bens, ele não se contenta com um emprego só __ é preciso ter dois ou três; vender parte das férias, em vez de descansar junto à família; levar serviço para fazer em casa, em vez de ficar com os filhos; e é um tal de viajar, almoçar fora, discutir negócios, marcar reuniões, preencher a agenda __ afinal, ele é um executivo dinâmico, faz parte do mundo competitivo, não pode fraquejar.

     No entanto, esse homem se esquece de que a verdadeira declaração de bens, o valor mais alto, aquele que efetivamente conta, está em outra página do formulário do Imposto de Renda __ mais precisamente, naquelas modestas linhas, quase escondidas, onde se lê “relação dos dependentes”. Aqueles que dependem dele, os filhos que ele colocou no mundo, e a quem deve dedicar o melhor de seu tempo.

     Os filhos são novos demais, não estão interessados em lotes, casas, salas para alugar, aumento de renda bruta __ nada disso. Eles só querem um pai com quem possam conviver, dialogar, brincar.

Os anos vão passando, os meninos vão crescendo, e o pai nem percebe, porque se entregou de tal forma ao trabalho __ vulgo construção do futuro __ que não viveu com eles, não participou de suas pequenas alegrias, não os levou ou buscou no colégio, nunca foi a uma festa infantil, não teve tempo para assistir a coroação da menina __  pois  um executivo não deve desviar sua atenção para essas bobagens. São coisas de desocupados.

    Há filhos órfãos de pais vivos, porque estão “entregues” __ o pai para um lado, a mãe para o outro, e a família desintegrada, sem amor, sem diálogo, sem convivência. E é esta convivência que solidifica a fraternidade entre os irmãos, abre seu coração, elimina problemas, resolve as coisas na base do entendimento.

     Há irmãos crescendo como verdadeiros estranhos, porque correm de um lado para o outro o dia inteiro __ ginástica, natação, judô, balé, aula de música, curso de Inglês, terapia, lição de piano, etc. __ e só se encontram de passagem em casa, um chegando, o outro saindo. Não vivem juntos, não saem juntos, não conversam __ e, para ver os pais, quase é preciso marcar hora.

     Depois de uma dramática experiência pessoal e familiar vivida, a única mensagem que tenho para dar __ e que tem sido repetida exaustivamente em paróquias, encontros familiares, movimentos e entidades __ é esta : não há tempo melhor aplicado do que aquele destinado aos filhos.

     Dos 18 anos de casado, passei 15 anos correndo e trabalhando, absorvido por muitas tarefas, envolvido em várias ocupações, totalmente entregue a um objetivo único e prioritário : construir o futuro para três filhos e minha mulher. Isso me custou longos afastamentos de casa, viagens, estágios, cursos, plantões no jornal, madrugadas no estúdio da televisão,  uma vida sempre agitada, atarefada, tormentosa, e apaixonante na dedicação à profissão escolhida __ e que foi, na verdade, mais importante do que minha família.

     E agora, aqui estou eu, de mãos cheias e de coração aberto, diante de todos vocês, que me conhecem muito bem. Aqui está o resultado de tanto esforço: construí o futuro, penosamente, e não sei o que fazer com ele, depois da perda do Luiz Otávio.

     De que valem casa, carros, sala, lote, e tudo o mais que foi possível juntar nesses anos todos de esforço, se ele não está mais aqui para aproveitar isso com a gente?

     Se o resultado de 30 anos de trabalho fosse consumido agora por um incêndio, e desses bens todos não restasse nada mais do que cinzas, isso não teria a menor importância, não ia provocar o menor abalo em nossa vida, porque a escala de valores mudou, e o dinheiro passou a ter um peso mínimo e relativo em tudo.

     Se o dinheiro não foi capaz de comprar a cura e a saúde de um filho amado, para que serve ele? Para ser escravo dele?

Eu trocaria __ explodindo de felicidade __ todas as linhas da declaração de bens por uma única linha que eu tive de retirar, do outro lado da folha: o nome do meu filho na relação dos dependentes. E como me doeu retirar essa linha na declaração de 1983, ano base de 82.

Helio Fraga, jornalista em Belo Horizonte, MG .  Esta crônica consta do livro do próprio autor “A Família, Último Lugar?” (3ª edição) publicado pelas Edições Paulinas. O jornalista Helio Fraga, que foi cronista esportivo, também publicou outros livros relacionados com o assunto narrado na crônica. Entre eles “O Menino Valente” e “Ser Pai”, cujas rendas são recolhidas ao Hospital Mário Penna  na capital mineira.

 

A L E R T A – Esta crônica foi criminosamente falsificada por um psicopata  desconhecido. Ao texto original, ele acrescentou que Luiz Otávio morreu drogado e teve uma irmã Priscila, que fugiu de casa. Esta monstruosidade vem sendo divulgada por portais da internet, sujeitos a interdição e ações judiciais por danos morais.

Meu filho morreu aos 12 anos, em novembro de 1982, vítima de tumor cerebral (meduloblastoma). Teve dois irmãos: Marcelo, nascido em 1972, e Ana Cristina, em 1977. Eles estudam, trabalham e moram em Belo Horizonte. A outra irmã jamais existiu.

A falsa “Declaração de Bens” tem sido publicada irresponsavelmente, estando todos os envolvidos sujeitos a processo.

… E o que tens para quem será?

 

Ontem vi num site uma chamada no UOL (www.uol.com.br) que me levou a uma reportagem da folha. Eis a chamada: “Eike Batista diz que será o bilionário número 1 do mundo”

Ao ler a reportagem (mais abaixo), fiquei pensando sobre que sentido tem a vida de um homem como o Sr. Eike. Confesso que por alguns instantes, num puro devaneio de minha limitada mente, fiquei pensando em como seria “boa” a minha vida se tivesse 1/200 da fortuna que este homem possui.

Todavia, graças a doce, mas poderosa ação do Santo Espírito de Deus que em mim habita, eu reconduzi meus pensamentos para o VERDADEIRO sentido de nossas vidas, ou seja, para que fomos criados: Glorificar a Deus e desfrutar de sua presença para sempre!

Lembrei-me logo de um texto que se encontra no livro de Lucas, capítulo 12, versos de 13 a 21.

“Nesse ponto, um homem que estava no meio da multidão lhe falou: Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança. Mas Jesus lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstrui-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus.”

Há uma grande advertência neste texto: Guarde-se de qualquer sentimento de avareza. Avareza, segundo o dicionário Michaelis, é: “Apego demasiado e sórdido ao dinheiro; desejo imoderado de adquirir e acumular riquezas”.

Há, entretanto, algumas perguntas que, se eu tivesse a oportunidade, as faria ao Sr. Eike, aliás as tenho feito para mim e as faço para você que me lê:

  • Você tem colocado o dinheiro acima de que?
  • Se você soubesse que você só possui apenas mais um mês de vida, você gastaria seu tempo e esforços para conseguir mais dinheiro?
  • Você acha que com seu dinheiro será possível comprar a vida eterna?
  • Para que você deseja se tornar mais rico?
  • Com seu dinheiro, você poderia amenizar em muito o sofrimento de muitas pessoas. Por que você não o utiliza para isto?
  • Em que ou quem você deposita a sua confiança?

Que Deus nos ajude a sempre me lembrar de que a minha depende dEle, que o dinheiro, fruto do trabalho, é algo lícito e que pode ser utilizado para ajudar os outros. E que Ele tenha misericórdia do Sr. Eike, para que ele perceba que colocar a confiança no dinheiro é agir como Louco.

REPORTAGEM:

O empresário Eike Batista disse que pretende ser o homem mais rico do mundo.

A afirmação foi feita em entrevista na conferência anual do Milken Institute's, centro de estudos sediado na Califórnia, nos Estados Unidos.

"Preciso competir com o sr. Slim [o mexicano Carlos Slim, que lidera o ranking de bilionários da revista 'Forbes']", disse o brasileiro.

"Não sei se vou ultrapassá-lo pela direita ou pela esquerda, mas vou passá-lo", completou.

Na última edição do ranking da "Forbes", Eike foi classificado como o oitavo mais rico do mundo, a mesma classificação que havia obtido em 2010.

A fortuna do empresário é estimada em US$ 30 bilhões

Outro Prisma - Por Aderval Mendonça

 

Excelente texto extraído do http://pospensador.blogspot.com/

Boa leitura!

Sou crente.

Sou casado, e não traio minha esposa; Não fumo nem bebo; Não jogo em loterias ou jogos de azar; Não me divirto em boates e shows de vários grupos que estão “bombando” por ai.

Muitos de meus amigos se afastaram de mim, talvez porque eu evito ficar contando ou ouvindo piadas picantes, falar palavrão ou falando de mulheres alheias; talvez porque não saio com eles procurando garotas pra “ficar”... sei lá!

Não tenho muito dinheiro e perco muitas oportunidades porque não minto, não promovo minha imagem, nem uso do “jeitinho brasileiro”, ou das “brechas da lei” para me beneficiar, como muitas pessoas fazem e vão crescendo na vida rapidamente.
Algumas pessoas ficam debochando do fato de eu ser crente... soltam gracinhas, piadinhas... outras acham que sou um hipócrita, que tudo é só fachada... às vezes estas coisas vem dos próprios familiares, e causam tristeza...

Se erro com alguém, tenho que pedir perdão; Se alguém erra comigo, tenho que perdoar, mesmo que a pessoa não tenha me pedido desculpas, ou que eu tenha me prejudicado muito.

Leio a Bíblia rotineiramente, obedeço seus mandamentos... restrinjo muitas coisas da minha vida por causa dos seus mandamentos; Todo mês eu entrego 10% do que ganho. Todo domingo acordo de 6 da manhã para ir pra escola dominical da igreja, e vou à noite para um culto também.

Dedico boa parte do meu tempo à igreja, tempo este em que poderia estar descansando ou me divertindo;

Se eu morrer agora, terei deixado de aproveitar muitos prazeres que a vida oferece...

Mas, olhando por outro prisma...

Eu aproveito e me deleito com um casamento estável, com uma mulher maravilhosa a quem amo muito e não troco por nenhuma outra no mundo, e para a qual tenho prazer e saudades de voltar a cada dia pra casa; Não preciso de bebidas, boates ou quaisquer outras “diversões” deste tipo para me sentir feliz ou alegre... Encontro prazer nas coisas de Deus, e me realizo nelas; Ah, me divirto com coisas saudáveis, que não vão me fazer mal...

Agora tenho amigos de verdade, que são mais chegados que irmãos... amigos que edificam minha vida, querem o meu bem realmente... não querem somente alguém pra sair e tirar onda... mas que se preocupam comigo, com minha vida em todos os aspectos... que me corrigem se eu errar, e torcem e oram pelo meu crescimento espiritual.

Vivo bem com o que Deus me dá; Percebo Sua Graça em tudo o que tenho, por pouco que seja, e agradeço a Ele por tantas bênçãos que Ele derrama em minha vida; Além disso, ponho minha cabeça no travesseiro todo dia com a consciência limpa e com a certeza que agradei a Deus e que não prejudiquei ninguém.

O fato de ser crente tem abençoado a minha vida e a vida da minha família. Tem também feito diferença na vida de outras pessoas, apesar dos deboches... e muitas pessoas que debocharam no passado hoje me respeitam e até se aproximaram do evangelho...

Através do pedido de perdão aprendo a ser humilde, a através do perdoar me liberto das amarras do rancor. Isto só me faz crescer e melhorar como pessoa.

Desfruto de um dos maiores prazeres da vida que é conhecer o Criador de forma pessoal, através da leitura da Bíblia e da oração. Alegro-me porque sei que as instruções da Palavra de Deus são para o meu bem, são para evitar que eu me dê mal... confio nisto e considero uma graça maravilhosa de Deus! Tudo o que restrinjo em minha vida não me acrescentaria nada de importante, pelo contrário, só iria me causar mal se eu fizesse.

Fico radiante em saber que tenho o privilégio de adorar a Deus com tudo o que sou e o que possuo, e que posso adorá-Lo devolvendo-Lhe uma parte de meu salário que Ele mesmo me propiciou na Sua misericórdia. Descanso na dependência de Deus e em Suas promessas, sabendo que este valor não vai me fazer falta, por que é Ele quem me dá o sustento. Alegro-me em saber que estes recursos vão contribuir para o crescimento da igreja do Senhor e também servirá para ajudar os necessitados.

Rapaz... fico ansioso pela chegada de um dia da semana em que posso me dedicar plenamente ao meu Deus... Como é bom meditar em sua Palavra com outros irmãos, compartilhar da comunhão... é bênção que não tenho nos outros dias!

É um privilégio pra mim servir a Deus na igreja, ser canal de bênção e instrumento do Espírito para Sua obra... só quem já sentiu esta sensação maravilhosa sabe do que estou falando!!!

Enfim... se eu morrer agora, eu sei pra onde eu vou... e esta certeza me faz a pessoa mais feliz do mundo!

quarta-feira, 13 de abril de 2011

Mas sou um milagre de Deus

Sou um miserável, não tenho nada de bom pelo que Deus possa olhar e se agradar. Sou pecador, indigno, carente da graça de Deus, sem a misericórdia de Deus, eu já teria sido consumido pelos meus pecados, falhas e caráter. Sou egoísta, arrogante, orgulhoso, sem afeição, fraco, hipócrita, soberbo, incapaz, o bem que eu quero não faço já o mal que não quero este eu faço. Eu condeno os outros em atos que eu mesmo pratico, considero-me sempre melhor do que os outros e guardo mágoas.
Sou tão podre que seria muito pouco para mim, padecer eternamente no inferno.
Ah como sou imundo, cego e louco!
Diante da presença santa de Deus, o que mais posso dizer sobre mim? Se tentasse chegar por algum mérito seria instantaneamente fulminado, pois tenho lábios impuros.
Mas eu sei em quem tenho crido. Sei que o sangue poderoso de Cristo, me pode fazer chegar a Deus! Sei que não há nada que eu possa fazer que constranja Deus a me amar, mas igualmente sei que a despeito disto Ele me ama, a ponto de ter enviado Meu Salvador para morrer em meu lugar: JESUS o bendito, o Santo, o Justo, o Majestoso, que tem o nome que está acima de todo Nome, o que é todo amor, que é bondoso, maravilhoso, santo, Deus forte, que é, que era e que há de ser, que é o verbo, que é onipotente, onipresente, onisciente, que habita no alto e sublime trono, mas habita comigo.
Jesus, o Messias, o Filho do Deus vivo, o Cordeiro de Deus, o Alfa, o Ômega, a estrela da manhã, o meu refúgio, minha fortaleza, o socorro bem presente nas tribulações, Aquele por quem, em toda minha vida, louvarei, pois é por Ele, pelo que Ele fez na cruz que eu posso me alegrar, e ter a certeza de que nada me poderá separar de seu grande amor. É nEle que posso dizer que sou nada, mas sou um nada em que Deus transformou em milagre.
Como diz um corinho antigo: "Não consigo entender o que Tu vês em mim, oh Senhor eu não sou o que devia ser, mas só Tu com amor me limpas de meu mal, e esse amor é quem me ajudar a seguir. Um milagre Senhor. Um milagre eu sou, um milagre Senhor tens feito em mim".
Louvado seja o Seu Santo Nome para todo o sempre, amém!

segunda-feira, 28 de março de 2011

Quando tudo parece estar perdido, Deus se manifesta de maneira surpreendente!

Recebi este texto precioso de grande irmão e amigo, uma excelente leitura sobre as circunstâncias de tristeza que podem vir sobre as nossas vidas.

Boa leitura!

É evidente que a vida nos prega surpresas boas e ruins. As boas nos deixam com sentimentos de alegria, satisfação e felicidade. As ruins provocam sentimentos de tristeza, choro e desalento.  Mas como poderei eu sentir prazer nos momentos de tristezas, seja por dificuldades ou tribulações, diminuindo assim ou até invertendo esses sentimentos?

Isso é uma pergunta que fazemos quando estamos com os nossos olhos e coração voltados para Deus. É refletir nos versículos que trazem isso definido: ...entristecidos, mas sempre alegres... (2 Cor: 6:10); E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança (Romanos 5: 3,4); Quero trazer à memória o que me pode dar esperança (Lamentações: 3:21). Todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus (Romanos 8:28). Regozijai-vos na esperança, sede pacientes na tribulação e perseverantes na oração (Romanos 12:12).
 
Quando Paulo afirma tristes, mas sempre alegres..., mostra um paradoxo que usa para expressar o que ele já passou, e o que amadureceu em seu ministério e propósito de vida, aconselhando os coríntios a permanecerem firmes na fé. Paulo está dizendo que devemos permanecer firmes no evangelho em qualquer situação que possamos nos encontrar, que ficamos tristes, seja por perseguição, tribulação, angústias, mas a tristeza pode nos fornecer alegria quando sabemos e temos o conforto do Espírito Santo de Deus, ou seja, é sentir a paz de Deus no coração (Filipenses 4:7) e a certeza de que a situação em que estamos passando no momento é por que Deus está permitindo, para amadurecimento nosso e para testemunho e conforto daqueles que estão passando pelas mesmas ou até parecidas situações (2 Coríntios 1:3).
 
Existem dois tipos de tristezas: pelo fato de você não querer passar pelos momentos difíceis e não aceitar; e a tristeza do incomodo que o problema proporciona. É claro que sentir tristeza é natural do ser humano, faz parte de nossos sentimentos, mas sentir tristeza e essa ser transformada em paz e tranqüilidade só pelo poder do Espírito Santo. Triste pelo incomodo que o problema proporciona e por você não poder fazer mais nada para tentar resolvê-lo, mas alegre por saber que Deus tem trabalhado em nossas vidas para amadurecimento na fé. E é de forma surpreendente que Deus fala aos nossos corações e nos dá forças para superarmos tais momentos, nos quais parece que não tem mais jeito ou que tudo está perdido.
 
É muito fácil você se relacionar com Deus e ser grato quando tudo parece bem. O difícil é ser grato quando tudo der errado e parecer que as coisas concorrem ao contrário do que você planeja ou deseja. Temos que saber que nosso relacionamento com Deus deve permanecer saudável mesmo em meio aos momentos ruins, pois às vezes Deus que saber até onde vai a nossa fé e/ou trabalhar na nossa vida espiritual. Porém, mesmo eu ainda caindo no erro de murmurar contra Deus e de até achar que meu problema é tão grande que não tem solução, a misericórdia e o amor de Deus agem em minha vida e me fazem entender a vontade Dele: se mostrar de forma surpreendente nos momentos em que eu mais preciso e me fazer amadurecer tanto pessoalmente quanto no relacionamento com Ele.
 
Temos que ter em mente que a maior escola de aprendizado é o momento de dificuldade! Isso na Bíblia é visto no texto de 2 Coríntios 12:9,  onde Deus diz a Paulo que Seu poder se aperfeiçoa na fraqueza. E o fato aqui é que Paulo pede para Deus tirar o problema, mas Deus diz que a graça Dele bastava para Paulo porque o poder se aperfeiçoa nas fraquezas. E Paulo continua no texto dizendo que de boa vontade mais se gloriará nas fraquezas, para que sobre ele repouse o poder de Cristo. E no versículo 10 ele complementa: “Pelo que sinto prazer nas fraquezas, nas injúrias, nas perseguições, nas angústias, por amor de Cristo. Porque, quando sou fraco, então, é que sou forte”.
Por isso que em minha oração ao Senhor disse: “Sou grato a ti Senhor, por passar por tribulações e dificuldades, pois isso me faz sentir e entender que Tu estás trabalhando em minha vida para algo maior em que possa te glorificar, e também pelo amadurecimento do relacionamento entre eu e Ti, e entre eu e o meu próximo. Além disso, posso ver a tua mão poderosa agindo e fazendo coisas que sei que só Tu poderias fazer. Abrir portas onde não esperava, falar ao meu coração de maneira especial, e me fazer repousar com tranqüilidade. Não existe nada nessa vida do que o relacionamento contigo Senhor, o Deus que criou todas as coisas e que sonda meu coração, perdoa-me os pecados e age de maneira surpreendente”.

Pense que as suas dificuldades atuais são para amadurecimento, conforto daqueles que ainda irão passar pela mesma situação, e também como testemunho que Deus pode usar para tocar o coração daqueles que não O conhecem. Pense também nos momentos difíceis que você já vivenciou e Deus agiu de maneira surpreendente, trazendo assim a tua memória o que pode dar esperança.

Deus o abençoe,

Heitor Arôxa

terça-feira, 22 de março de 2011

Bela mensagem

Recebi uma bela mensagem em meu e-mail, ela explica o trabalhar de Deus em nossas vidas para nos santificar a ponto de parecermos cada dia mais com o Seu filho, Jesus Cristo.

Boa leitura!



Malaquias 3:3 diz:  'E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata...' 

Esse versículo bíblico intrigou umas mulheres de um estudo bíblico e elas ficaram pensando o que essa afirmação significava em relação ao caráter e à natureza de Deus. 
  
Uma delas ofereceu-se para descobrir sobre o processo de refinamento da prata para o próximo estudo bíblico. 
  
Naquela semana, a mulher ligou para um ourives e marcou um horário para assisti-lo trabalhar. Ela não mencionou a razão do seu interesse e só disse estar curiosa para conhecer o processo. 
  
Ela foi assisti-lo. Ele pegou um pedaço de prata e o segurou sobre o fogo, deixando-o esquentar . 
  
Ele explicou que, no refinamento da prata, é preciso que se segure a mesma bem no centro da chama, onde é mais quente e queima-se as impurezas. 
  
A mulher pensou sobre Deus, que às vezes, segura-nos em situações 'quentes' e pensou novamente no versículo: 'E assentar-se-á como fundidor e purificador de prata...' 
  
Ela perguntou para o artesão se ele tinha mesmo que ficar sentado o tempo todo na frente do fogo enquanto a prata estava sendo refinada. 
  
Ele disse que sim; que não somente ele tinha que ficar lá, segurando a prata, mas que ele tinha que, também, manter seus olhos na mesma o tempo todo que ela estivesse nas chamas. Se a prata ficasse um minuto a mais no fogo, seria destruída. 
  
A mulher ficou em silêncio por um momento. Então, ela perguntou: 'Como você sabe quando a prata está totalmente refinada?' 
  
Ele sorriu e disse:   'Ah, isso é fácil... É quando eu vejo minha imagem nela.' 
  
Se hoje você está sentindo o calor do fogo, lembre-se que os olhos de Deus estão sobre você e que Ele vai ficar cuidando de você até que Ele veja Sua imagem em você. 

segunda-feira, 14 de fevereiro de 2011

Salmo 23 - O SENHOR é o meu pastor!

“O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará. Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso; refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome. Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam. Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda. Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida; e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.”

Davi, rei de Israel, foi o autor deste salmo, Davi agora rei, houvera sido pastor de ovelhas em sua adolescência. Davi inicia o salmo fazendo uma afirmação que só um bom pastor de ovelhas, conhecedor do ofício poderia fazer:

“O SENHOR é o meu pastor; nada me faltará” indica que Davi sabia que Deus, como pastor de sua vida o guiaria, cuidaria dele, o protegeria, iria lhe suprir em todas as suas necessidades, como um bom pastor o faz com o seu rebanho; Ele continua sua afirmação – Ele me faz repousar em pastos verdejantes. Leva-me para junto das águas de descanso;” – mostrando que como um bom pastor procura e leva suas ovelhas a locais onde estas possam se alimentar bem, e beber águas em locais tranquilos, Deus o condizia de mesma maneira.

A partir dai, Davi, fala de maneira mais clara os resultados em sua vida do pastoreio de Deus: “refrigera-me a alma. Guia-me pelas veredas da justiça por amor do seu nome.” Deus renovava as forças de Davi, guiando lhe por caminhos certos, como Deus o havia prometido, porque Deus é fiel é cumpre o que promete.

Por conta da presença de Deus em sua vida, ele era encorajado a enfrentar as piores situações e medos em sua vida, assim como a ovelha depende e confia na força do cajado e do seu pastor para a livrar das bocas das feras dos campos, dos abismos e valas existentes no caminho, Davi mesmo já houvera livrado o seu rebanho de perecer na boca de leões e outras feras, desta feita, Davi confiava no Supremo pastor: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal nenhum, porque tu estás comigo; o teu bordão e o teu cajado me consolam.”

Deus o guardava de tal forma, o dava segurança de tal maneira, que ele se sentia, como sentado numa mesa, onde seus adversários o olhavam ser servido e ser tido por Deus como um convidado de honra, e não apenas isto, mas o suprir além de suas necessidades, enchendo o seu copo até transbordar: Preparas-me uma mesa na presença dos meus adversários, unges-me a cabeça com óleo; o meu cálice transborda.

Ele ainda tem a certeza de que em todos os seus dias ele verá a bondade e misericórdia de Deus em seu viver, verá o seu Bom pastor cuidando dele: “Bondade e misericórdia certamente me seguirão todos os dias da minha vida;”

E para finalizar ele prometi viver na casa de Deus, para louvar a Deus em todos os dias de sua vida, para reconhecer que não há outro Deus a quem devemos louvar e exaltar, pois só Ele é digno: “e habitarei na Casa do SENHOR para todo o sempre.”

Que nós possamos ser contados como ovelhas de Deus, rebanho de Cristo, para viver em sua presença a cada dia o servindo e sendo por Ele pastoreado.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Aleluia, Deus respondeu NÃO!


Após 15 dias da morte de meu cunhado, veja o relato da história no post Minho, servo de Deus, até breve! fiquei inquieto tentando entender o porque de Deus nos ter respondido NÃO. Fiquei procurando explicações e uma lógica para este fato que nos tanto entristeceu.

Não achei explicação. Minha mente limitada, não consegue entender os insondáveis planos de Deus, quem sou eu para querer entender os eternos propósitos de Deus. Como está escrito lá na carta de Paulo aos Romanos, capítulo 13, versos 33, 34, 35, e 36: Ó profundidade da riqueza, tanto da sabedoria como do conhecimento de Deus! Quão insondáveis são os seus juízos, e quão inescrutáveis, os seus caminhos! Quem, pois, conheceu a mente do Senhor? Ou quem foi o seu conselheiro? Ou quem primeiro deu a ele para que lhe venha a ser restituído? Porque dele, e por meio dele, e para ele são todas as coisas. A ele, pois, a glória eternamente. Amém!

E como Minho tão bem falou comigo, antes do natal de 2010: “Eu tinha a minha agenda, todavia aprendi que Deus tem a dEle, e eu como Seu servo, estou tendo que a seguir em detrimento da minha."

Mas esta percepção não me trouxe consolo algum, saber que Deus tem os Seus planos, que são maiores que os meus, não me fortalece a continuar a caminhada, a me levantar e seguir para o alvo…

Todavia, eu dou graças a Deus, pois Ele mesmo, percebendo minha incapacidade, minha pequenez, minha falta de fé, minha pecaminosidade, minha cegueira, Ele amorosa e pacientemente abre os olhos do meu coração e assim, posso crer que o Seu NÃO, ou seja, que a Sua vontade é boa, perfeita e agradável.

Deus através da sua Palavra me mostrou que Ele disse NÃO a nada mais, nada menos do que Jesus Cristo, Seu filho, Aquele para quem, em tempos anteriores, Ele havia dito (Mateus 17:5): Falava ele ainda, quando uma nuvem luminosa os envolveu; e eis, vindo da nuvem, uma voz que dizia: Este é o meu Filho amado, em quem me comprazo; a ele ouvi.

Jesus estava no Getsêmane, Ele pressentindo sua morte, ora por três vezes (Mateus 26:39) Adiantando-se um pouco, prostrou-se sobre o seu rosto, orando e dizendo: Meu Pai, se possível, passe de mim este cálice! Todavia, não seja como eu quero, e sim como tu queres. Contudo Deus disse NÃO. Aleluia! Se Deus tivesse dito sim a Jesus, hoje, eu e você, estaríamos perdidos, e não apenas nós, mas toda a raça humana. Por que Deus nos amou, Ele disse NÃO aquele a quem Ele mais amava.

Depois de meditar nisto, eu louvei a Deus porque embora eu ainda não compreenda o porquê dEle ter nos dito NÃO quando oramos a respeito de Minho, tenho a certeza de que Minho está com Cristo, e um dia eu também estarei, e estarei porque às vezes Deus nos diz NÃO.

Louvado seja o Senhor!