quinta-feira, 28 de julho de 2016

Bem feito!

“porque o salário do pecado é a morte, mas o dom gratuito de Deus é a vida eterna em Cristo Jesus, nosso Senhor.” Romanos 6.23

            Bem feito! Quem mandou fazer isto! Recebeu o que merecia! Achei foi pouco! A justiça foi feita! Quem planta, colhe! Estas são algumas expressões que dizemos ou ouvimos quando vemos um ladrão se dando mal, vemos um político corrupto sendo preso, quando ficamos sabendo de alguém que intentou o mal e acabou sofrendo do mal que intentara. Quando era criança gostava de assistir a um desenho em que havia dois personagens: Um coiote e um papa-léguas. O coiote preparava os mais mirabolantes planos para pegar o papa-léguas, mas ele sempre se dava mal, seus planos, mesmo contrariando a lógica, davam sempre errado.

            O pecado trouxe consigo a morte, e esta morte não é apenas a física, mas especialmente morte espiritual. A consequência, o pagamento, a recompensa, a paga pelo pecado é a morte eterna. E depois de adão, todos nós, eu e você, estamos debaixo desta condenação. Fadados a morrer, a ir para o inferno, a perecer longe de Deus, recebendo Sua Santa e Justa ira.

            Mas, porém, contudo, todavia, entretanto Deus “contrariou a lógica”: Ele enviou seu filho, Jesus Cristo, o JUSTO, para pagar o preço que era meu e seu. A culpa pelo pecado não foi isentada, foi paga e bem paga, vicariamente paga por Cristo na cruz do calvário, e agora, de graça recebemos, eu e você, que cremos nEle como Senhor e Salvador, a vida eterna, e não apenas isto, mas já aqui neste mundo tenebroso podemos desfrutar da paz que Cristo dá.
            Por isso, devemos com gratidão, nos abstendo das vontades da nossa carne, vivermos para o louvor de Sua glória, dando sempre graças a Deus por tudo, por meio de Jesus.


“E não vos embriagueis com vinho, no qual há dissolução, mas enchei-vos do Espírito, falando entre vós com salmos, entoando e louvando de coração ao Senhor com hinos e cânticos espirituais, dando sempre graças por tudo a nosso Deus e Pai, em nome de nosso Senhor Jesus Cristo, sujeitando-vos uns aos outros no temor de Cristo.” Efésios 5.18-21

quarta-feira, 27 de julho de 2016

Herança do Senhor são os filhos...

“Herança do SENHOR são os filhos; o fruto do ventre, seu galardão.” Salmos 127.3

Filhos são uma benção na vida de um casal, são presentes de Deus, mas eles não nos pertencem, pertencem a Deus, o que nos cabe é cuidar, proteger, instruir, admoestar, disciplina-los em amor, e zelar para que eles cresçam fortes, saudáveis, tanto na fé quanto em outras áreas, contudo, lembremo-nos sempre de os colocar aos pés de Jesus, clamando para que Deus, lhes impute no coração a fé em Seu filho, nosso Salvador.

Para isto nós pais devemos nos esforçar e nos esmerar na tarefa de ensinar aos nossos filhos sobre quem é Deus, quem nós somos, ensinando-lhes através da exposição das Escrituras. Devemos transmitir a eles a tocha da fé, falando-lhes de tudo quanto Deus realizou no passado e tem realizado no tempo presente.

Devemos inculcar em suas mentes os ensinos bíblicos, falando com eles de manhã, ao levantar, à noite, ao nos deitar, quando vamos andando no caminho, colocando nos umbrais das portas de nossas casas, revelando a Cristo através de nossas atitudes e decisões.

O nosso exemplo deve “arrastar” nossos filhos para perto de Jesus, eu não posso querer que meu filho tema a Deus mais do que eu. É claro que Deus pode o encher do Espírito Santo, e lhe fazer ser um homem 100 vezes mais fiel do que eu sou. Oh Senhor como me alegro em sonhar com meus filhos te servindo e te honrando! Mas a responsabilidade é nossa. Não podemos nos eximir da responsabilidade de imprimir em seus corações a fé que temos!

E que Deus seja gracioso e nos ajude nesta tarefa, pois somos pecadores e imperfeitos, que o Santo Espírito nos capacite a esta preciosa, mas maravilhosa obra.


“Ensina a criança no caminho em que deve andar, e, ainda quando for velho, não se desviará dele.” Provérbios 22.6

terça-feira, 26 de julho de 2016

Só contemplando...

“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos.” Salmos 19.1





“Eu sou o SENHOR, o vosso Santo, o Criador de Israel, o vosso Rei.” Isaías 43.15

quinta-feira, 21 de julho de 2016

Perdoa-me ó Deus

“Não reine, portanto, o pecado em vosso corpo mortal, de maneira que obedeçais às suas paixões; nem ofereçais cada um os membros do seu corpo ao pecado, como instrumentos de iniquidade; mas oferecei-vos a Deus, como ressurretos dentre os mortos, e os vossos membros, a Deus, como instrumentos de justiça.” Romanos 6.12-13

Não se pode servir a dois senhores, pois há de se agradar a um e desagradar ao outro, portanto é possível dizer que ou servimos a Deus, ou servimos a nossa própria natureza carnal e corrompida. Ao qual destes dois “senhores” você se submete? A quem você tem entregue cada parte de seu corpo?

Faça um teste em sua consciência, faça uma análise em sua vida: Por onde andam seus passos? O que fazem as suas mãos? Quais são as palavras que têm saído de sua boca? Em quais coisas seus olhos estão fitos, quais são os pensamentos que permeiam sua mente? Quais são os sentimentos e motivações do seu coração?

Ao sondar minha própria vida, diante da santidade de Deus, vejo como realmente sou. “Desventurado homem que sou! Quem me livrará do corpo desta morte?” Romanos 7.24

Já escrevi sobre a minha condição em outro momento (LINK ). Sei da minha incapacidade de sozinho por isso clamarei ao Espírito Santo, para que Ele me conduza de maneira que eu entregue-me completamente a Deus, a fim de que eu glorifique e agrade aquele a quem amo e desejo servir. Clamarei como fez o salmista, compadece-te de mim o Deus...


“Compadece-te de mim, ó Deus, segundo a tua benignidade; e, segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga as minhas transgressões. Lava-me completamente da minha iniquidade e purifica-me do meu pecado. Pois eu conheço as minhas transgressões, e o meu pecado está sempre diante de mim.” Salmos 51.1-3

quarta-feira, 20 de julho de 2016

Qual é a necessidade disto?

“E não somente isto, mas também nos gloriamos nas próprias tribulações, sabendo que a tribulação produz perseverança; e a perseverança, experiência; e a experiência, esperança.” Romanos 5:3-4

Minha cunhada ao ver uma situação inusitada faz uma celebre pergunta: Qual é a necessidade disto? Este talvez seja o questionamento de muitos crentes ao passarem por provações: Mas Senhor qual é o objetivo desta situação em minha vida? Temos algumas certezas em nossa vida e uma delas é que passaremos por tribulações. Mas qual é a necessidade disto?

A Bíblia nos ensina em Romanos que as tribulações produzem uma cadeia de frutos em nossas vidas. Deus que já nos tem provado o Seu grande amor para conosco, enviando Jesus para morrer em nosso lugar, e a assim nos reconciliou consigo mesmo, nos dando a paz (Romanos 5.1), só nos permite passar pelas tribulações porque deseja que alcancemos o alvo: Sermos semelhantes ao Seu Filho, Jesus, nosso Salvador.

Pois a tribulação produz perseverança, semelhante a Jesus que perseverou no propósito de cumprir a vontade de Deus. A perseverança por sua vez nos traz experiência, nos tornando crentes maduros preparados para responder a quem nos perguntar a razão da nossa fé. E a experiência produz esperança que nos alegra e nos faz ansiar pela bendita volta de Cristo, nos faz amar menos as coisas deste mundo e amar mais estar com Cristo (Filipenses 1.21)

Se você está enfrentando tribulações, provações, se a doença sobreveio sobre você, se foi o desemprego, a crise financeira, o seu casamento está esfacelado, se você olha para a sua vida e não vê nada com que você possa se alegrar, se você luta, mas não consegue se libertar dos vícios, ou daquele pecado que tenazmente o assedia, se você está fatigado, se você está cansado, se você está desanimado, confie em Jesus, que deu a Sua vida por amor de você, entregue-se ao Senhor, nosso Deus, pois Ele é um socorro bem presente nas tribulações, nas tribulações.


“Deus é o nosso refúgio e fortaleza, socorro bem presente nas tribulações.” Salmos 46.1

terça-feira, 19 de julho de 2016

A culpa foi minha!

“mas também por nossa causa, posto que a nós igualmente nos será imputado, a saber, a nós que cremos naquele que ressuscitou dentre os mortos a Jesus, nosso Senhor, o qual foi entregue por causa das nossas transgressões e ressuscitou por causa da nossa justificação.” Romanos 4.24-25

Como sofreu meu salvador. Jesus foi a cruz, mas antes disto, deixou sua glória, nasceu numa manjedoura fétida, num local onde os animais dormiam, comiam e faziam suas necessidades. O Rei dos reis, se fez carne, e a si mesmo se humilhou, passou fome, sofreu dores, sentiu-se cansado, foi rejeitado, carregou a cruz, recebeu a ira de Deus, foi moído e desprezado, Ele então morreu. De quem foi a culpa?

Ele fez tudo isto por amor a mim, por causa dos meus pecados, por conta das minhas transgressões. O castigo que estava reservado para mim, caiu sobre Ele. Ele mesmo se dispôs a paga-lo em meu lugar. Ele se entregou à justiça de Deus por minha causa. A culpa foi minha!

Mas louvado e exaltado seja Deus que não deixou seu filho na morte, mas ao terceiro dia, como houvera prometido, O ressuscitou dentre os mortos, entregando a Ele as chaves da morte, exaltando o Seu nome, o colocando acima de todo o nome. Jesus ressuscitou, aleluia!!!

E agora temos a viva esperança, a nossa esperança, portanto, não é vã. Ele morreu, mas ressuscitou, palavras não podem expressar a grandeza de Sua glória. Ele subiu aos céus e está agora à direita de Deus, o Pai, que é bendito para sempre. Ele intercede por nós, colocando a Sua justiça em nosso favor, por isso agora, antes culpados, somos justificados por Cristo, aleluia, amém!


“Quem os condenará? É Cristo Jesus quem morreu ou, antes, quem ressuscitou, o qual está à direita de Deus e também intercede por nós” Romanos 8.34

sábado, 16 de julho de 2016

Estava perdido, mas fui resgatado

“Não há justo, nem um sequer, não há quem entenda, não há quem busque a Deus; todos se extraviaram, à uma se fizeram inúteis; não há quem faça o bem, não há nem um sequer.” Romanos 3.10b-12

Estamos perdidos! A raça humana está perdida. Não há um digno! Ninguém que possa nos salvar, ninguém que possa comparecer na presença do Grande Juiz para interceder ou advogar por nós.  A condenação está declarada e não haverá como escapar. Nem a tecnologia, nem a ciência, nem a força de vontade humana será capaz de fazer com que a maldição que caiu sobre nós deixe de acontecer.

Dentre todos os seres humanos não há nenhum que faça o bem, não adiantar se achar o bom, o cara, eu e você somos inúteis, não buscamos a Deus. Antes como rebeldes buscamos os nossos próprios caminhos, preferindo adorar a criatura em lugar do Criador, que é Santo!

Mas Deus é bom, rico em misericórdia, perdoador, justo, mas benigno, e que se alegra em derramar sua graça sobre a vida dos seus filhos. Ele enviou alguém que pudesse cumprir a sua justiça, alguém capaz de conquistar o direito de nos defender, alguém que pudesse pisar a cabeça da maldita serpente que nos acusava: JESUS, o Cristo.

JESUS, O MESSIAS, Ele não apenas advoga por nós, mas Ele mesmo pagou o preço pelos nossos pecados na cruz, Ele atendeu a justiça de Deus, recebendo em sua própria carne a ira santa de Deus que devia cair sobre nós. E é por isso que agora, devemos viver para o agradecer, louvar e bendizer, vivendo para o louvor de Sua Glória.

Obrigado Jesus, pois morreste na cruz em meu lugar, mas também porque, ao terceiro dia ressuscitasses e posso crer que um dia, eu estarei contigo para te bendizer por tão grande salvação.


 “No tocante a mim, confio na tua graça; regozije-se o meu coração na tua salvação.” Salmos 13.5

sexta-feira, 15 de julho de 2016

Seja Deus verdadeiro, e mentiroso todo homem

“E daí? Se alguns não creram, a incredulidade deles virá desfazer a fidelidade de Deus? De maneira nenhuma! Seja Deus verdadeiro, e mentiroso, todo homem, segundo está escrito: Para seres justificado nas tuas palavras e venhas a vencer quando fores julgado.” Romanos 3.3-4

Onde abundou o pecado superabundou a graça. Se alguns que receberam a palavra de Deus, não creram, antes se desviaram pelos seus próprios caminhos, fazendo o que lhes convinha e aprazia, desprezando as misericórdias e graça de Deus revelados através de Seu filho, Jesus, o Santo, isto não desfaz a justiça de Deus que jugará cada um segundo as suas obras, nem a fidelidade de que Ele chamou e salvará o Seus escolhidos.

Deus é sempre verdadeiro, e o homem é mentiroso. O homem engana aos seus próximos, mentindo, fingindo, omitindo. O ser humano não se revela, basta ver num início de namoro, como as pessoas são tão cuidadosas uma com a outra, mas basta o tempo ir passando para que se possa conhecer o real caráter e conduta de cada um.

O ser humano engana a si mesmo, quando escolhe ouvir a voz do seu próprio coração, se estribando em seus próprios entendimentos, se dizendo que o seu caminho é melhor que o caminho de Deus, revelado nas Santas Escrituras.

Mas a Deus o homem não engana, Deus sonda os corações, conhece as intenções, e julgará cada um segundo a sua conduta. Entretanto o nosso Deus é um Deus de misericórdia, que não se agrada em castigar seus filhos, mas derrama sobre eles a Sua graça, Seu amor e o Seu perdão, que nos foi outorgado através da Obra de Cristo na Cruz, que cumprindo a justiça de Deus, recebeu sobre si mesmo a justa ira de Deus.

Então o que nos cabe é: Desconfiarmos do nosso coração, confiar somente em Deus; Nos arrependermos dos nossos pecados, os deixando; Pedir a Senhor que nos sonde o coração e nos corrija os passos.


“Considero os meus caminhos e volto os meus passos para os teus testemunhos.” Salmos 119.59

quinta-feira, 14 de julho de 2016

Cuidado ao julgar os outros

“Portanto, és indesculpável, ó homem, quando julgas, quem quer que sejas; porque, no que julgas a outro, a ti mesmo te condenas; pois praticas as próprias coisas que condenas.” Romanos 2.1

Como é fácil para nós julgarmos os nossos irmãos, como é bem mais fácil encontrar o erro na vida do outro do que na nossa própria vida. Somos mestres em analisar, julgar e sentenciar o erro na vida do nosso próximo, mas somos, ou melhor, nos fazemos de inaptos para julgar e corrigir as nossas próprias ações e motivações.

Nesta passagem o apóstolo Paulo chama-nos de indesculpáveis, quando julgamos a quem quer que seja, e a razão vem logo a seguir, pois somos praticantes das coisas que condenamos. Somos cegos guiando outros cegos. Jesus questiona: “Por que vês tu o argueiro no olho de teu irmão, porém não reparas na trave que está no teu próprio?” Lucas 6.41

Falando dos inimigos de Deus, dos ímpios, o Salmista, nos salmos 139, a partir dos versos 19 em diante, fala que os aborrece, que os considera como seus próprios inimigos, mas ao final não pede ao Senhor para que sonde seu coração, e o guie pelo caminho eterno. Ele sabe que pode estar falhando naquilo que ele mesmo condena. Ele se considera uma pessoa sobre quem Deus derramou de sua misericórdia e perdão.

Que Deus nos ajude a primeiramente analisarmos as nossas vidas, e sermos misericordiosos para com o nosso próximo. Que tiremos primeiro a trave dos nossos olhos, para depois soprarmos o cisco no olho de nossos irmãos.


“Sonda-me, ó Deus, e conhece o meu coração; prova-me, e conhece as minhas inquietações.  Vê se em minha conduta algo que te ofende, e dirige-me pelo caminho eterno.” Salmos 139.23-24

quarta-feira, 13 de julho de 2016

Deus não está morto!

“Porque os atributos invisíveis de Deus, assim o seu eterno poder, como também a sua própria divindade, claramente se reconhecem, desde o princípio do mundo, sendo percebidos por meio das coisas que foram criadas. Tais homens são, por isso, indesculpáveis;” Romanos 1.20

Deus não está morto! Deus existe e não adianta os ateus dizerem o contrário, não adianta parte da ciência tentar inventar teorias, seus atributos, são revelados através de tudo quanto fora criado por Ele. Ele é majestoso, soberano, grandioso, rico em misericórdia, longânimo, benigno, cheio de graça, verdadeiro em todos os seus caminhos, justo, poderoso, eterno, infalível, imutável, divino, amoroso, não soberbo, não improperador, dadivoso, bondoso, sublime.

A sua criação escancara aos homens que Ele é Deus. Seu filho, Jesus Cristo, nosso Salvador, morto na cruz, revela sua justiça, mas também o seu amor, e a ressurreição dEle, três dias após, revela que Ele possui a chave do inferno e da morte, que nas Suas mãos está o querer.

Que glorioso é o meu Deus. Não há outro além dele. Ele é o princípio e o fim. Ele conhece cada uma das estrelas pelo nome. Nada foge ao Seu controle, mas Ele conduz as coisas de maneira que todas juntas redundem em honra, glória e louvor ao Seu Santo Nome, assim como para o nosso bem.

Contemplemos a natureza e glorifiquemos a Deus, pois só Ele é digno de louvor eternamente, amém!


“Os céus proclamam a glória de Deus, e o firmamento anuncia as obras das suas mãos.” Salmos 19.1

terça-feira, 12 de julho de 2016

Vergonha do Evangelho

“Pois não me envergonho do evangelho, porque é o poder de Deus para a salvação de todo aquele que crê, primeiro do judeu e também do grego;” Romanos 1.16

Uma das maiores forças deste planeta. O Evangelho é vitorioso e vencedor. Não há força que o possa impedir, pois ele, como afirma o apóstolo Paulo, é o poder de Deus. Mas qual o objetivo do evangelho: Salvar todo aquele que crê. E aí não há distinção, pois Deus não faz acepção de pessoas. Há eleitos de todos os povos, línguas e nações.

O nosso papel como cristãos, como filhos eleitos e redimidos do Senhor, é anunciar este evangelho, é fazer chegar as boas novas de salvação àqueles que jamais ouviram o bendito e maravilhoso nome de nosso Senhor e Salvador, Jesus Cristo, O JUSTO.

Não podemos nos acovardar, não podemos temer, o mundo certamente nos resistirá, quando nossas vidas e palavras revelarem a luz de Cristo, mas não podemos nos envergonhar disto, pois o evangelho é o poder de Deus.

Se o mundo nos odeia, exultemos ao Senhor, pois melhor é sermos odiados pelo mundo, mas amados por Deus. Se o mundo nos perseguir, descansemos nAquele que tem poder para nos livrar de todas os males. Se o mundo quiser nos destruir, nos matar, confiemos no braço de Jesus, que tem as chaves da morte e do inferno e vivamos pela fé nEle.


 “visto que a justiça de Deus se revela no evangelho, de fé em fé, como está escrito: O justo viverá por fé.” Romanos 1.17