quinta-feira, 8 de maio de 2014

Homens e mulheres dos quais o mundo não era digno - FANNY CROSBY

Segue abaixo a história da mulher que iluminada por Deus, apesar de cega, escreveu mais de 10 lindos hinos:

Fanny J. Crosby (1820-1915)

Quando Fanny Crosby tinha seis anos de idade, um forte resfriado causou uma inflamação em seus olhos. O médico da família foi chamado, mas ele não estava em casa. Alguém veio em seu lugar. O estranho recomendou o uso de compressas quentes, que tragicamente resultou na sua perda da visão. Como o trágico acontecimento se tornou conhecido na vizinhança, o homem deixou a cidade, e ninguém mais ouviu falar dele. A respeito desta tragédia, Sra. Crosby escreveu: "Em mais de oitenta e cinco anos, eu em nenhum momento senti algum ressentimento dele, pois eu sempre acreditei desde a minha infância que o bom Deus, em Sua infinita misericórdia, através disto me consagrou ao trabalho o qual ainda me permite realizar.

Fanny Crosby era uma vencedora. "Uma das decisões que eu tomei mais cedo em meu jovem coração", ela dizia, "foi deixar todo o meu cuidado para ontem e acreditar que a manhã seguinte traria."

As maiores influências em sua juventude foram sua mãe e avó. Na medida do possível, elas educaram-na em casa. Seu pai morreu quando ela tinha um ano de idade. Quando sua avó soube que a pequena criança estava cega e nada poderia ser feito a respeito disto, ela disse: "Eu serei seus olhos."E ela era. Ela descrevia à criança cega a maravilhosa variedade de cores na natureza, a beleza do nascer do sol e do pôr do sol, como os pássaros e as flores eram, as cores do céu. Com o tempo, Fanny estaria descrevendo estas maravilhas melhor que qualquer pessoa com visão. Também sua avó pacientemente ensinou a Bíblia a Fanny, primeiro o verso um, depois o dois. Logo logo Fanny estaria memorizando capítulos inteiros. Sua mente desenvolveu um maravilhoso banco de memória. Ela aprendeu a tocar violão, e então começou a compor músicas às quais ela mesmo acompanhava.

Quando Fanny Crosby tinha quinze anos, ela entrou para a Escola para Cegos em Nova Iorque,mesmo sendo extremamente difícil para ela deixar a segurança de casa. Ela foi estudante da instituição por sete anos e então ensinou lá por onze anos. Muitas pessoas importantes visitaram a escola nestes anos, e se tornou costumeiro ter Fanny recitando seus poemas para elas.

Em 1843 Fanny Crosby foi a Washington, DC, com outros amigos cegos para provar aos líderes governantes que os cegos podiam ser educados se tivessem treinamento apropriado. Sendo a primeira mulher a ter a palavra no Senado, ela levou muitos senadores às lágrimas com seus poemas e sua personalidade vencedora. Ela tornou-se amiga de diversos presidentes.

Aos trinta anos, Fanny Crosby casou-se com Alexander Van Alstyne, um erudito e talentoso músico, também cego. Ele tinha muito orgulho do gênio de sua esposa e insistiu que ela mantivesse seu nome de solteira. Eles tiveram um filho, que morreu na infância.

Fanny Crosby estava sempre escrevendo poemas, mas sua composição de hinos só teve início quando ela tinha cerca da quarenta anos de idade. Um dia ela encontrou-se com o compositor W. B. Bradbury (hinos no Novo Cântico: 93, 117, 127, 205, 217, 220, 225, 257, 306, 319, 359) , que pediu que ela escrevesse alguns poemas. 

Em 1864 ela enviou seu primeiro hino. Imediatamente Bradbury encantou-se com suas palavras e disse a ela: "Enquanto eu tiver uma editora, você sempre terá um emprego." E então, num período de nove anos, Fanny Crosby escreveu "Blessed Assurance"(Que segurança tenho em Jesus), "Jesus keep me near the cross" (Quero estar ao pé da cruz), "I am thine, O Lord" (Meu Senhor sou teu, Tua voz ouvi), "Praise Him, Praise Him" (Louvai, louvai, Cristo o bom Mestre Divino), "To God be the glory" (A Deus demos glória) e tantos outros! Ela era a poetiza líder do "Gospel Hymn Movement" associada a D. L. Moody e Ira Sankey.

Fanny Crosby foi uma das mais prolíferas poetas da história. Às vezes críticos surgem dizendo que seus poemas não possuem alta qualidade poética. Ela seria a primeira a concordar com eles. Ela não estava escrevendo para críticos literários. Ela queria que suas palavras fossem entendidas por pessoas comuns. Ela viveu entre os pobres a maior parte de sua vida e ela esteve direcionando sua mensagem particularmente para eles. Ainda assim seus hinos têm universalidade para ser cantado por reis e rainhas, presidentes e intelectuais também.

A maioria dos hinos ela escreveu após a meia-noite, como se ela necessitasse de silêncio e concentração. ela nunca foi muito dorminhoca. Todavia, alguns de seus hinos foram escritos espontaneamente. Por exemplo, uma amiga, Sra. Joseph F. Knapp, pediu a Fanny para escrever letras para umas músicas que ela havia composto. A Sra. Knapp toou a melodia duas ou três vezes no piano e então perguntou a Fanny se a música dizia algo a ela. Imediatamente, Fanny respondeu "Que segurança tenho em Jesus!". Em poucos instantes Fanny daria à atônita amiga a letra completa!

Com a idade de sessenta anos, Fanny Crosby era mais ativa do que muita gente aos quarenta. Além de compor hinos, ela começou uma segunda carreira com um trabalho de evangelização visitando lares. Ela agora gastava vários dias da semana em missões no distrito de Bowery, em Nova Iorque, um dos locais mais deprimentes dos EUA. Ela sempre insistia: "Não se pode salvar um homem apenas dizendo a ele seus pecados. Eles já os conhece. Diga-lhe que há perdão e amor esperando por ele... faça-o entender que você acredita nele e nunca desista." Fanny Crosby não apenas dizia estas palavras, ela as vivia. Ela sabia como ouvir e falar às pessoas desesperadamente necessitadas.

Certa vez um homem participou de uma reunião e sentou-se em frente a ela. Primeiramente ela orou silenciosamente e então falou-lhe:
 
"Você gosta de música?" 

"Sim" 

"Não gostaria de ficar para o culto vespertino?"

"Não."

"Bem," ela disse alegremente, "você permite que eu sente ao seu lado para conversarmos?"

"Sim, eu gostaria da sua companhia."

Ela falou por um longo tempo ao rude e ensopado homem sobre assuntos que interessavam a ele. Finalmente ela disse: "Você sabe quais são as três palavras mais doces em qualquer língua?"

"Não, você pode me dizer?"

Fanny respondeu: "Mãe, lar e céu."

O homem ficou em silêncio por um longo tempo, perdido em seus pensamentos. Finalmente ele disse suavemente: "Minha mãe era uma cristã." Ele ficou para o culto, e no final da reunião ele foi ao altar, mas não sem que antes Fanny prometesse ir com ele.

Centenas de histórias podem ser contadas sobre como ela ajudou tantas destas pessoas com suas vidas tristes e despedaçadas. Hinos como "Saved by Grace" ( NC 184 - Face a Face) penetram o coração daqueles que estão a perecer e precisam ser salvos.

Fanny Crosby foi uma excelente oradora, e aos noventa anos ela continuava a atingir grandes multidões. Um jornal local registrou que ela estava "frágil no corpo, mas ainda forte na mente... com a confiança e fé em Deus firme como os montes. Apesar de estar agora com a coluna bastante arqueada e extremamente magra, ela escreveu alegremente a um amigo: "Eu estou tão ocupada que dificilmente sei meu nome". À medida que ela envelhecia, sua alegria crescia mais ainda.

Em uma de suas últimas mensagens ela disse: "Deus responderá suas orações melhor que você imagina. É claro, nem sempre iremos ter exatamente o que pedimos... Nós sempre temos sofrimentos e desapontamentos, mas não se deve esquecer que, se confiados a Deus, ele os tornará em bem... Sua solução é de longe melhor do que o que qualquer um de nós poderia conceber."

Um pastor escocês disse a ela que era muito ruim que Deus não desse a ela a dádiva da visão. Ela o surpreendeu dizendo: "Se eu pudesse escolher em meu nascimento, eu teria optado por ser cega... pois quando eu subir aos céus, a primeira face que eu hei de ver será a Daquele que morreu por mim."

Hinos de Fanny Jane Crosby no Novo Cântico:

41 - Louvai, louvai Cristo, o bom mestre divino

42 - A Deus demos glória por seu grande amor

46 - Altos louvores a quem triunfou

49 - Sempre vencendo, mui vitorioso

107 - Quero estar ao pé da cruz

144 - Que segurança tenho em Jesus

153 - Com Tua mão segura bem a minha

184 - Em breve a vida vou findar

202 - Preciosas as palavras de Jesus

204 - À porta clamo, alma triste

222 - Meu Senhor sou teu, Tua voz ouvi

226 - Conta-me a história de Cristo

287 - É tempo! É tempo! O Mestre está chamando já


Extraído dos livros: Great Christian Hymn writers e 101 More Hymn Stories
Traduzido por Jairo Sena

quarta-feira, 7 de maio de 2014

Homens e mulheres dos quais o mundo não era digno

Embora à luz das escrituras sagradas a adoração a qualquer ser, vivo, morto ou inanimado, que não o próprio Deus, é um ato pecaminoso de rebeldia e idolatria contra Aquele que é, que era e que há de ser.

Contudo, as escrituras nos incentivam a nos lembrarmos das pessoas que, enquanto viveram aqui, a despeito de suas naturezas caídas, viveram vidas dedicadas à pregação da palavra de Deus, dando bom testemunho de fé e que impactaram suas épocas.

"Lembrai-vos dos vossos guias, os quais vos pregaram a palavra de Deus; e, considerando atentamente o fim da sua vida, imitai a fé que tiveram." Hebreus 13:7

Com o coração grato a Deus, com grande gratidão ao meu amigo e irmão em Cristo, Jairo Sena, que gentilmente me enviou seu trabalho, e me autorizou, postarei histórias sobre alguns dos autores dos mais belos hinos cantados nas igrejas cristãs dos séculos XIX, XX, e XXI.

Estes homens e mulheres que a despeito das dificuldades, agraciados por Deus, cheios de temor e sabedoria do alto, escreveram lindas canções.

Que Deus levante em nossa geração, homens e mulheres dispostos a viver a vida para a glória do nome de Jesus.