quarta-feira, 18 de maio de 2011

De quem é a responsabilidade? - Por Alfredo de Souza


Excelente texto do Pr. Alfredo de Souza, publicado em 24 de abril de 2011, sobre o papel da mulher em relação à criação dos filhos.

Extraído do blog E a bíblia com isso?

Que como pais saibamos ensinar nosso filho a amar a Deus, se necessário for, em detrimento de uma vida confortável e abastarda, pois “de que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma?”

Boa leitura!

O Brasil tem testemunhado a violência que muitas crianças sofrem nas mãos de babás ou das creches. São filhos e filhas cuja mãe não possui mais tempo de estar com eles, pois optou por auxiliar o marido nas finanças do lar. Isso tem demonstrado que muitas criaças tem sofrido violência de todos os lados ou perdem a vida por um descuido ou displiscência. Houve o famoso caso em 2008 quando três casais perderam o filho no momento em que estavam numa creche. Na época o noticiário mostrou o sofrimento atroz e a busca de uma resposta para a tragédia impiedosa e desesperadora por parte dos pais. Como pai que sou sinto-me solidário para com essas famílias enlutadas.

Mas além da perplexidade, também refleti um pouco sobre o caso do pequeno Gabriel de 7 meses que possuía Refluxo Gastroesofágico, problema que provoca o vômito ou regurgitação do alimento. Era uma criança que requeria cuidados especiais e uma vigilância ininterrupta, principalmente quando estava dormindo. Não quero de forma nenhuma criminalizar os pais ou os funcionários da creche, isso cabe aos investigadores. Meu objetivo é pensar um pouco sobre de quem é a responsabilidade de cuidar de uma criança, principalmente nos primeiros anos de vida.

Hoje o mundo ocidental vive o frenesi do consumo fazendo com que o indivíduo busque mais e mais a prosperidade financeira. O desejo de ter para ser proporciona horas de trabalho exageradas, além de impulsionar a mulher ao mercado de trabalho juntamente com o marido. É aqui que esbarramos no dilema da criação dos filhos. É justo deixá-los a mercê das creches ou dos parentes próximos ou a responsabilidade cabe aos pais? Pensemos um pouco no que são os nossos filhos:

1. Filho é incompatível com o trabalho desenfreado. Não estou aqui condenando o trabalho pelo sustento. Até mesmo mães e pais solteiros ou divorciados precisam proporcionar o mínimo para a sobrevivência digna e honrada dos filhos. Mas acredito que não é correto abandoná-los em nome de encargos que tomam muitas horas do dia. Nesse contexto é que entra o papel da mãe como aquela que está próxima para proteger e criar. Infelizmente muitas mães sequer possuem um tempo reduzido com os filhos. O contato só ocorre quando a criança já está dormindo. Até mesmo os pais negligenciam o tempo de qualidade com a família em nome dos serões ou dos encontros com os amigos no final do expediente. A ausência certamente acarretará em problemas emocionais e sociais graves à criança no futuro.


2. Filho é prioridade das mães. Esse raciocínio é tão contundente que o Estado proporciona uma licença compulsória para que as mães possam exercer a maternidade sem interrupção. Muitas não sabem do sofrimento que os filhos vivem por conta da ausência diária que resulta num sentimento de desprezo. Quando se está diante da carreira e, ao mesmo tempo, da criação de um filho, não há como negar a prioridade deste filho acima das pretensões profissionais. Ninguém é obrigado a se tornar mãe, ninguém é obrigado a conceber, ninguém é obrigado a abandonar o trabalho para cuidar de crianças. Se alguém quer se dedicar ao trabalho e prosperar na vida financeira deve então, nesse caso, optar por não ter filhos. Se um casal procria, logo estão estabelecendo prioridades. Assim como Paulo afirmou que para o evangelista o melhor é continuar solteiro, eu afirmo que para as mulheres que preferem trabalhar na busca da realização pessoal ou para melhorar a renda do marido o melhor é não ter filhos. Parece uma afirmação dura, mas perceber o sofrimento de tantas crianças, adolescentes e jovens pela ausência dos pais, principalmente da mãe, isso sim é algo duro e chocante.


3. Filho é o nosso campo educacional. Muitos imaginam que a responsabilidade educacional do filho cabe à escola e à igreja. Isentam-se de ensiná-los a Lei do Senhor que direciona todo o olhar para o mundo em que vivemos. A cosmovisão cristã sempre é abafada pela mídia, pelo evolucionismo ateu e pela criação impessoal proporcionada pelas empregadas domésticas, creches ou professores. A disciplina, privilégio restritíssimo dos pais, é um bem negligenciado hoje em dia. Como o tempo com o filho é reduzido aos mirrados finais de semana, os pais, com crise de consciência, não aplicam a disciplina, ao contrário, oferecem uma tolerância prejudicial, desafeiçoada e desamorosa. Filhos que são entregues a si mesmos não desenvolvem o princípio de autoridade, noção que em muito prejudica o relacionamento com Deus. Não esqueçamos, a responsabilidade de evangelizar, de doutrinar, de transmitir conhecimento e de moralizar é prioritariamente dos pais. A igreja, a escola, o sábio conselho dos amigos e parentes são ferramentas periféricas que consolidam a educação no lar.


Eu sei que um texto como esse está na contramão da sociedade em que vivemos. Mas acredito que o futuro dos filhos dirá quem está com a razão. Não tenho medo de errar ao afirmar que vale muito mais um filho equilibrado e crente diante das dificuldades financeiras do que uma vida abastada com o filho desequilibrado e longe do Senhor. É por isso que a pergunta continua no ar: de quem é a responsabilidade?

segunda-feira, 16 de maio de 2011

Deus grande que habita com o pequeno

“Porque assim diz o Alto, o Sublime, que habita a eternidade, o qual tem o nome de Santo: Habito no alto e santo lugar, mas habito também com o contrito e abatido de espírito, para vivificar o espírito dos abatidos e vivificar o coração dos contritos.” Isaías 57:11
Pensando no texto acima, me lembrei de que nesta semana mesmo, ao viajar de avião, e ele alcançou a "altura de cruzeiro", ao olhar pela janela, vi uma cena parecida com a imagem 1, eu ficara observando como as cidades parecem tão pequenas daquela altura. Fiquei vendo os prédios que mais pareciam pequenas caixas, menores até que minha unha.
Neste momento fui direcionado a pensar na grandeza de Deus, em quão grande Deus é, afinal embora seja imenso, o universo não é infinito, mas o nosso Deus o é. Mas o mais maravilhoso é que este mesmo Deus que é tremendo e infinito, é o mesmo Deus que habita conosco (como nos ensina o texto), e não apenas isto, mas que Ele se importa conosco e com cada área de nossas vidas.
Fico maravilhado ao pensar como um Deus tão grande, com tanta gente para cuidar (somos mais de 7 bilhões de habitantes no planeta terra), cuida e me trata de maneira pessoal, cuidando de detalhes que até para mim são pequenos.
Que Deus nos ajude a ter a visão do tamanho do Seu amor e graça em nossas vidas.
No amor de Cristo,
Samuel Lyra
Imagem 1
image
Imagem 2


Imagem 3
image
Imagem 4

quinta-feira, 5 de maio de 2011

Declaração de Bens - Por Hélio Fraga

 

Exclente texto do Jornalista Hélio Fraga.

      O pai moderno, muitas vezes perplexo, aflito, angustiado, passa a vida inteira correndo atrás do futuro e se esquecendo  do agora. Na luta para edificar este futuro, ele renuncia ao presente. Por isso, é um homem ocupado, sem tempo para os filhos, envolvido em mil atividades __ tudo com o objetivo de garantir o seu amanhã.

     E com que prazer e orgulho, cada ano, ele preenche sua declaração de bens para o Imposto de Renda. Cada nova linha acrescida foi produto de muito esforço, muito trabalho. Lote, casa, apartamento, sítio __ tudo isso custou dias, semanas, meses de luta. Mas ele está sedimentando o futuro de sua família. Se ele parte um dia, por qualquer motivo, já cumpriu sua missão e não vai deixar ninguém desamparado.

     E para ir escrevendo cada vez mais linhas na sua relação de bens, ele não se contenta com um emprego só __ é preciso ter dois ou três; vender parte das férias, em vez de descansar junto à família; levar serviço para fazer em casa, em vez de ficar com os filhos; e é um tal de viajar, almoçar fora, discutir negócios, marcar reuniões, preencher a agenda __ afinal, ele é um executivo dinâmico, faz parte do mundo competitivo, não pode fraquejar.

     No entanto, esse homem se esquece de que a verdadeira declaração de bens, o valor mais alto, aquele que efetivamente conta, está em outra página do formulário do Imposto de Renda __ mais precisamente, naquelas modestas linhas, quase escondidas, onde se lê “relação dos dependentes”. Aqueles que dependem dele, os filhos que ele colocou no mundo, e a quem deve dedicar o melhor de seu tempo.

     Os filhos são novos demais, não estão interessados em lotes, casas, salas para alugar, aumento de renda bruta __ nada disso. Eles só querem um pai com quem possam conviver, dialogar, brincar.

Os anos vão passando, os meninos vão crescendo, e o pai nem percebe, porque se entregou de tal forma ao trabalho __ vulgo construção do futuro __ que não viveu com eles, não participou de suas pequenas alegrias, não os levou ou buscou no colégio, nunca foi a uma festa infantil, não teve tempo para assistir a coroação da menina __  pois  um executivo não deve desviar sua atenção para essas bobagens. São coisas de desocupados.

    Há filhos órfãos de pais vivos, porque estão “entregues” __ o pai para um lado, a mãe para o outro, e a família desintegrada, sem amor, sem diálogo, sem convivência. E é esta convivência que solidifica a fraternidade entre os irmãos, abre seu coração, elimina problemas, resolve as coisas na base do entendimento.

     Há irmãos crescendo como verdadeiros estranhos, porque correm de um lado para o outro o dia inteiro __ ginástica, natação, judô, balé, aula de música, curso de Inglês, terapia, lição de piano, etc. __ e só se encontram de passagem em casa, um chegando, o outro saindo. Não vivem juntos, não saem juntos, não conversam __ e, para ver os pais, quase é preciso marcar hora.

     Depois de uma dramática experiência pessoal e familiar vivida, a única mensagem que tenho para dar __ e que tem sido repetida exaustivamente em paróquias, encontros familiares, movimentos e entidades __ é esta : não há tempo melhor aplicado do que aquele destinado aos filhos.

     Dos 18 anos de casado, passei 15 anos correndo e trabalhando, absorvido por muitas tarefas, envolvido em várias ocupações, totalmente entregue a um objetivo único e prioritário : construir o futuro para três filhos e minha mulher. Isso me custou longos afastamentos de casa, viagens, estágios, cursos, plantões no jornal, madrugadas no estúdio da televisão,  uma vida sempre agitada, atarefada, tormentosa, e apaixonante na dedicação à profissão escolhida __ e que foi, na verdade, mais importante do que minha família.

     E agora, aqui estou eu, de mãos cheias e de coração aberto, diante de todos vocês, que me conhecem muito bem. Aqui está o resultado de tanto esforço: construí o futuro, penosamente, e não sei o que fazer com ele, depois da perda do Luiz Otávio.

     De que valem casa, carros, sala, lote, e tudo o mais que foi possível juntar nesses anos todos de esforço, se ele não está mais aqui para aproveitar isso com a gente?

     Se o resultado de 30 anos de trabalho fosse consumido agora por um incêndio, e desses bens todos não restasse nada mais do que cinzas, isso não teria a menor importância, não ia provocar o menor abalo em nossa vida, porque a escala de valores mudou, e o dinheiro passou a ter um peso mínimo e relativo em tudo.

     Se o dinheiro não foi capaz de comprar a cura e a saúde de um filho amado, para que serve ele? Para ser escravo dele?

Eu trocaria __ explodindo de felicidade __ todas as linhas da declaração de bens por uma única linha que eu tive de retirar, do outro lado da folha: o nome do meu filho na relação dos dependentes. E como me doeu retirar essa linha na declaração de 1983, ano base de 82.

Helio Fraga, jornalista em Belo Horizonte, MG .  Esta crônica consta do livro do próprio autor “A Família, Último Lugar?” (3ª edição) publicado pelas Edições Paulinas. O jornalista Helio Fraga, que foi cronista esportivo, também publicou outros livros relacionados com o assunto narrado na crônica. Entre eles “O Menino Valente” e “Ser Pai”, cujas rendas são recolhidas ao Hospital Mário Penna  na capital mineira.

 

A L E R T A – Esta crônica foi criminosamente falsificada por um psicopata  desconhecido. Ao texto original, ele acrescentou que Luiz Otávio morreu drogado e teve uma irmã Priscila, que fugiu de casa. Esta monstruosidade vem sendo divulgada por portais da internet, sujeitos a interdição e ações judiciais por danos morais.

Meu filho morreu aos 12 anos, em novembro de 1982, vítima de tumor cerebral (meduloblastoma). Teve dois irmãos: Marcelo, nascido em 1972, e Ana Cristina, em 1977. Eles estudam, trabalham e moram em Belo Horizonte. A outra irmã jamais existiu.

A falsa “Declaração de Bens” tem sido publicada irresponsavelmente, estando todos os envolvidos sujeitos a processo.

… E o que tens para quem será?

 

Ontem vi num site uma chamada no UOL (www.uol.com.br) que me levou a uma reportagem da folha. Eis a chamada: “Eike Batista diz que será o bilionário número 1 do mundo”

Ao ler a reportagem (mais abaixo), fiquei pensando sobre que sentido tem a vida de um homem como o Sr. Eike. Confesso que por alguns instantes, num puro devaneio de minha limitada mente, fiquei pensando em como seria “boa” a minha vida se tivesse 1/200 da fortuna que este homem possui.

Todavia, graças a doce, mas poderosa ação do Santo Espírito de Deus que em mim habita, eu reconduzi meus pensamentos para o VERDADEIRO sentido de nossas vidas, ou seja, para que fomos criados: Glorificar a Deus e desfrutar de sua presença para sempre!

Lembrei-me logo de um texto que se encontra no livro de Lucas, capítulo 12, versos de 13 a 21.

“Nesse ponto, um homem que estava no meio da multidão lhe falou: Mestre, ordena a meu irmão que reparta comigo a herança. Mas Jesus lhe respondeu: Homem, quem me constituiu juiz ou partidor entre vós? Então, lhes recomendou: Tende cuidado e guardai-vos de toda e qualquer avareza; porque a vida de um homem não consiste na abundância dos bens que ele possui. E lhes proferiu ainda uma parábola, dizendo: O campo de um homem rico produziu com abundância. E arrazoava consigo mesmo, dizendo: Que farei, pois não tenho onde recolher os meus frutos? E disse: Farei isto: destruirei os meus celeiros, reconstrui-los-ei maiores e aí recolherei todo o meu produto e todos os meus bens. Então, direi à minha alma: tens em depósito muitos bens para muitos anos; descansa, come, bebe e regala-te. Mas Deus lhe disse: Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e o que tens preparado, para quem será? Assim é o que entesoura para si mesmo e não é rico para com Deus.”

Há uma grande advertência neste texto: Guarde-se de qualquer sentimento de avareza. Avareza, segundo o dicionário Michaelis, é: “Apego demasiado e sórdido ao dinheiro; desejo imoderado de adquirir e acumular riquezas”.

Há, entretanto, algumas perguntas que, se eu tivesse a oportunidade, as faria ao Sr. Eike, aliás as tenho feito para mim e as faço para você que me lê:

  • Você tem colocado o dinheiro acima de que?
  • Se você soubesse que você só possui apenas mais um mês de vida, você gastaria seu tempo e esforços para conseguir mais dinheiro?
  • Você acha que com seu dinheiro será possível comprar a vida eterna?
  • Para que você deseja se tornar mais rico?
  • Com seu dinheiro, você poderia amenizar em muito o sofrimento de muitas pessoas. Por que você não o utiliza para isto?
  • Em que ou quem você deposita a sua confiança?

Que Deus nos ajude a sempre me lembrar de que a minha depende dEle, que o dinheiro, fruto do trabalho, é algo lícito e que pode ser utilizado para ajudar os outros. E que Ele tenha misericórdia do Sr. Eike, para que ele perceba que colocar a confiança no dinheiro é agir como Louco.

REPORTAGEM:

O empresário Eike Batista disse que pretende ser o homem mais rico do mundo.

A afirmação foi feita em entrevista na conferência anual do Milken Institute's, centro de estudos sediado na Califórnia, nos Estados Unidos.

"Preciso competir com o sr. Slim [o mexicano Carlos Slim, que lidera o ranking de bilionários da revista 'Forbes']", disse o brasileiro.

"Não sei se vou ultrapassá-lo pela direita ou pela esquerda, mas vou passá-lo", completou.

Na última edição do ranking da "Forbes", Eike foi classificado como o oitavo mais rico do mundo, a mesma classificação que havia obtido em 2010.

A fortuna do empresário é estimada em US$ 30 bilhões

Outro Prisma - Por Aderval Mendonça

 

Excelente texto extraído do http://pospensador.blogspot.com/

Boa leitura!

Sou crente.

Sou casado, e não traio minha esposa; Não fumo nem bebo; Não jogo em loterias ou jogos de azar; Não me divirto em boates e shows de vários grupos que estão “bombando” por ai.

Muitos de meus amigos se afastaram de mim, talvez porque eu evito ficar contando ou ouvindo piadas picantes, falar palavrão ou falando de mulheres alheias; talvez porque não saio com eles procurando garotas pra “ficar”... sei lá!

Não tenho muito dinheiro e perco muitas oportunidades porque não minto, não promovo minha imagem, nem uso do “jeitinho brasileiro”, ou das “brechas da lei” para me beneficiar, como muitas pessoas fazem e vão crescendo na vida rapidamente.
Algumas pessoas ficam debochando do fato de eu ser crente... soltam gracinhas, piadinhas... outras acham que sou um hipócrita, que tudo é só fachada... às vezes estas coisas vem dos próprios familiares, e causam tristeza...

Se erro com alguém, tenho que pedir perdão; Se alguém erra comigo, tenho que perdoar, mesmo que a pessoa não tenha me pedido desculpas, ou que eu tenha me prejudicado muito.

Leio a Bíblia rotineiramente, obedeço seus mandamentos... restrinjo muitas coisas da minha vida por causa dos seus mandamentos; Todo mês eu entrego 10% do que ganho. Todo domingo acordo de 6 da manhã para ir pra escola dominical da igreja, e vou à noite para um culto também.

Dedico boa parte do meu tempo à igreja, tempo este em que poderia estar descansando ou me divertindo;

Se eu morrer agora, terei deixado de aproveitar muitos prazeres que a vida oferece...

Mas, olhando por outro prisma...

Eu aproveito e me deleito com um casamento estável, com uma mulher maravilhosa a quem amo muito e não troco por nenhuma outra no mundo, e para a qual tenho prazer e saudades de voltar a cada dia pra casa; Não preciso de bebidas, boates ou quaisquer outras “diversões” deste tipo para me sentir feliz ou alegre... Encontro prazer nas coisas de Deus, e me realizo nelas; Ah, me divirto com coisas saudáveis, que não vão me fazer mal...

Agora tenho amigos de verdade, que são mais chegados que irmãos... amigos que edificam minha vida, querem o meu bem realmente... não querem somente alguém pra sair e tirar onda... mas que se preocupam comigo, com minha vida em todos os aspectos... que me corrigem se eu errar, e torcem e oram pelo meu crescimento espiritual.

Vivo bem com o que Deus me dá; Percebo Sua Graça em tudo o que tenho, por pouco que seja, e agradeço a Ele por tantas bênçãos que Ele derrama em minha vida; Além disso, ponho minha cabeça no travesseiro todo dia com a consciência limpa e com a certeza que agradei a Deus e que não prejudiquei ninguém.

O fato de ser crente tem abençoado a minha vida e a vida da minha família. Tem também feito diferença na vida de outras pessoas, apesar dos deboches... e muitas pessoas que debocharam no passado hoje me respeitam e até se aproximaram do evangelho...

Através do pedido de perdão aprendo a ser humilde, a através do perdoar me liberto das amarras do rancor. Isto só me faz crescer e melhorar como pessoa.

Desfruto de um dos maiores prazeres da vida que é conhecer o Criador de forma pessoal, através da leitura da Bíblia e da oração. Alegro-me porque sei que as instruções da Palavra de Deus são para o meu bem, são para evitar que eu me dê mal... confio nisto e considero uma graça maravilhosa de Deus! Tudo o que restrinjo em minha vida não me acrescentaria nada de importante, pelo contrário, só iria me causar mal se eu fizesse.

Fico radiante em saber que tenho o privilégio de adorar a Deus com tudo o que sou e o que possuo, e que posso adorá-Lo devolvendo-Lhe uma parte de meu salário que Ele mesmo me propiciou na Sua misericórdia. Descanso na dependência de Deus e em Suas promessas, sabendo que este valor não vai me fazer falta, por que é Ele quem me dá o sustento. Alegro-me em saber que estes recursos vão contribuir para o crescimento da igreja do Senhor e também servirá para ajudar os necessitados.

Rapaz... fico ansioso pela chegada de um dia da semana em que posso me dedicar plenamente ao meu Deus... Como é bom meditar em sua Palavra com outros irmãos, compartilhar da comunhão... é bênção que não tenho nos outros dias!

É um privilégio pra mim servir a Deus na igreja, ser canal de bênção e instrumento do Espírito para Sua obra... só quem já sentiu esta sensação maravilhosa sabe do que estou falando!!!

Enfim... se eu morrer agora, eu sei pra onde eu vou... e esta certeza me faz a pessoa mais feliz do mundo!